Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 19/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 19/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 19/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/10 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Venda de maconha em farmácias dá a Uruguai título de “país pioneiro”

media Iniciativa lançada pelo ex-presidente José Mujica tenta erradicar o narcotráfico. LEA PATERSON/SCIENCE PHOTO LIBRARY

O Uruguai dá mais um passo importante na revolução do consumo de maconha e na luta contra o tráfico de drogas ao iniciar, nesta quarta-feira (19), a venda de maconha em uma rede de farmácias do país. Na avaliação do jornal francês Le Monde, a iniciativa uruguaia é positiva e pioneira, sobretudo em uma região conhecida pelo conservadorismo e por atrasos nos direitos sociais.

Marcos Fernandes, especial para a RFI

A partir de hoje, 16 farmácias previamente cadastradas passarão a vender a erva, acolhendo os cerca de 5000 usuários inscritos no programa do governo, de acordo com dados do Instituto de Regulação e de Controle da Maconha (IRCM). O país de 3,4 milhões de habitantes já havia dado a largada em 2013, quando se tornou a primeira nação no mundo a legalizar a maconha, concentrando o mercado, a produção e a comercialização nas mãos do Estado.

O “pai” da lei que deu origem às transformações na sociedade uruguaia, o ex-presidente socialista José Mujica, pretendia dessa forma combater o narcotráfico, impedindo a circulação de mais de R$ 95 milhões movimentados pelo comércio ilegal da droga. O texto original da nova legislação prevê três formas de acesso à maconha: por meio do cultivo em casa para consumo pessoal, de participação em um clube de plantação e uso coletivo e, finalmente, da compra em farmácias.

Com o intuito de evitar que o Uruguai se transforme no paraíso dos consumidores de maconha do mundo, a legislação não dá brecha para os estrangeiros: somente cidadãos uruguaios podem fazer parte do programa. Haverá também um limite de 10 gramas por semana, vendidas por US$ 1,30 cada. Os consumidores poderão optar entre a compra da Alfa I, erva do tipo Indica, e a Beta I, do tipo Sativa. As licenças de produção foram concedidas à empresa Symbiosys, instalada em Montevidéu, e à multinacional Iccorp.

Exemplo para o mundo

A imprensa francesa também lembrou que o Uruguai representa uma vanguarda na América Latina, continente de muitos atrasos em direitos sociais, “de forma geral”. Foi o primeiro país latino-americano a abolir a escravidão e a pena de morte, em 1830 e em 1907, respectivamente, além de ter sido precoce na criação da lei do divórcio, em 1913, e na aquisição do voto feminino em 1927.

Nas últimas décadas, o Uruguai manteve o posto de nação moderna ao legalizar a prostituição em 2002 e o casamento homossexual em 2012, quase ao mesmo tempo que a França.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.