Ouvir Baixar Podcast
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 23/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 23/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 23/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 23/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 22/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 22/11 14h06 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

MP pede prisão preventiva de ex-presidente peruano por caso Odebrecht

media O ex-presidente peruano Ollanta Humala AFP

Um procurador pediu à Justiça peruana a prisão preventiva do ex-presidente Ollanta Humala e de sua mulher, Nadine Heredia, pela suposta contribuição irregular da empresa Odebrecht à campanha eleitoral de 2011, informou nesta terça-feira (11) uma fonte do Ministério Público.

O Ministério Público apontou, no Twitter, que nesta quarta-feira (12) um juiz vai decidir em uma audiência pública se aceita ou recusa o pedido de prisão do casal.

Humala e sua mulher são acusados de lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O pedido de prisão preventiva não se baseia apenas no depoimento de Marcelo Odebrecht, que garantiu ao procurador Juárez ter doado US$ 3 milhões à campanha eleitoral, mas também em declarações de outros colaboradores, que teriam apresentado provas à procuradoria sobre a entrega de dinheiro ao casal segundo a imprensa local.

O advogado de Humala, Julio Espinoza, disse estar surpreso com o pedido "já que o ex-mandatário e sua mulher têm respondido a todas as citações e convocações do MP".

"Vamos esperar a intimação do juiz para escutar e debater a posição do MP. Só esperamos uma decisão imparcial", destacou à emissora Canal N.

Em diversas ocasiões, Humala negou ter recebido dinheiro da Odebrecht ou do Partido dos Trabalhadores (PT) para sua campanha. O tenente-coronel aposentado do Exército afirmou, há algumas semanas, ser vítima do maior "linchamento político" da vida republicana do Peru pelas investigações a que ele e sua família estão submetidos.

A Odebrecht garante que pagou US$ 29 milhões em propina no Peru para fazer obras entre 2005 e 2014. O período compreende os governos de Alejandro Toledo, Alan García e Humala.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.