Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 24/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 24/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 24/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 24/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 24/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 24/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

EUA vão propor resolução contra Coreia do Norte na ONU e não descartam ação militar

media Os Estados Unidos devem apresentar uma nova resolução no Conselho de Segurança da ONU Reuters

Os Estados Unidos, com o apoio da França, vão propor novas sanções contra a Coreia do Norte depois do lançamento de um míssil intercontinental com capacidade para atingir o território americano. O assunto, que enfrenta a oposição da Rússia e da China, foi discutido em uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU nesta quarta-feira (5).

Segundo Nikki Haley, embaixadora americana na ONU, os Estados Unidos apresentarão uma resolução “proporcional às ações da Coreia do Norte”. O teste com o míssil ICBM, que poderia atingir o Alaska, constitui uma “escalada militar evidente” da Coreia do Norte, disse. De acordo com a embaixadora, os Estados Unidos estão dispostos a usar todos os meios, inclusive militares, para se defender. Haley ressaltou, entretanto, que “preferiria não ser obrigada a seguir nessa direção”.

A representante americana na ONU ainda declarou que as sanções poderiam atingir países que mantêm negócios com a Coreia do Norte, em referência velada aos chineses. As trocas comerciais entre os dois países aumentaram pelo menos 40% no último trimestre segundo o presidente americano.

Na terça-feira (4), o líder norte-coreano, Kim Jong Un, declarou que o lançamento era um presente para “os bastardos americanos” no dia da festa que comemora a Independência dos EUA. A Rússia, que tem um poder de veto, afirmou que vai se opor à adoção de novas medidas contra os norte-coreanos e a uma eventual ação militar. “Qualquer tentativa de justificar uma solução militar é inadmissível”, declarou o embaixador adjunto da Rússia na ONU, Vladimir Safronkov.

China e Rússia sugerem “dupla moratória”

Nesta quinta-feira (6), a China pediu que “discursos e atos que pudessem agravar a tensão na península coreana fossem evitados”. O ministro das Relações Exteriores chinês, Geng Shuang, reiterou que o país condena o lançamento do míssil intercontinental, mas a manutenção da paz na região “atende aos interesses comuns de todas as partes envolvidas”.

Em visita à Moscou nesta terça-feira, o presidente Xi Jinping sugeriu uma “moratória dupla”, pedindo que a Coreia do Norte interrompa seu programa militar e a Coreia do Sul e os EUA renunciem às manobras militares conjuntas. Pyongyang, que já realizou cinco testes nucleares e tem um pequeno arsenal de bombas atômicas, diz que seu novo míssil pode transportar "uma grande ogiva nuclear".

Em resposta ao míssil balístico intercontinental testado na véspera por Pyongyang, Washington e Coreia do Sul dispararam ontem mísseis que simularam um ataque contra o governo norte-coreano.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.