Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 21/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 21/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 21/11 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.

Artistas plásticos brasileiros expõem Sgt. Pepper's em templo Beatle de Buenos Aires

Artistas plásticos brasileiros expõem Sgt. Pepper's em templo Beatle de Buenos Aires
 
O local da exposição é o The Cavern Club Buenos Aires, um complexo temático que recria o famoso The Cavern de Liverpool. M. Resende

Em modalidade inédita, ótica brasileira interpreta em pinturas os versos das canções da legendária obra dos Beatles que completa 50 anos.

A banda de rock é britânica, o local da exposição é argentino, mas a arte é brasileira. A ideia nasceu de uma família de beatlemaníacos brasileiros: Leonardo Pires (51), o pai; John Andrade (26), o filho. John veio estudar medicina em Buenos Aires, formou-se médico e, além de atender os seus pacientes, virou curador da exposição. Sim, John em homenagem a John Lennon.

"Nós sentamos, eu e o meu pai, e decidimos: vamos fazer essa música. Qual parte dessa música pode virar um quadro legal? Nós escolhemos o verso da canção que seria traduzido para imagem do quadro", explica à RFI Brasil.

Quatro artistas brasileiros de projeção internacional aceitaram o desafio. Marco Costerus, Fabiano Rocha, Oliver e Wanderson Petrova pintaram 15 quadros a partir dos versos das canções do legendário álbum Sgt. Peppers que, em maio, completou 50 anos.

Na exposição Beatle Quiz, o visitante tenta descobrir à qual canção do Sgt. Pepper's se refere aquele quadro, impressionista ou realista. Na saída, estão as respostas que revelam quem é um profundo conhecedor das canções.

Assim, ganharam ilustração em óleo Carve your number on my wall (If I Needed Someone), Picture yourself in a boat on a river with tangerines trees (Lucy In The Sky With Diamonds) ou Lying on the bed, listen to the music playing in your head (Lady Madonna).

The Carvern Club Buenos Aires

O local da exposição é o The Cavern Club Buenos Aires, um complexo temático que recria o famoso The Cavern de Liverpool, além de três salas, bar e o único museu Beatle no mundo, fora da cidade que viu nascer o quarteto fantástico.

"Conheci este centro, um complexo Beatles com esse espaço perfeito para poder expor uma relação direta com os Beatles. O nosso objetivo é abrir as portas aqui na Argentina e levar a obra para o Brasil depois", conta John.

Quem abriu as portas para a exposição dos brasileiros foi Rodolfo Vázquez, dono do The Carvern Club e recordista do Guiness (2001 e 2011) como maior colecionador de memorabilia dos Beatles no mundo.

"A ideia de descobrir a qual canção pertence cada obra pareceu-me muito original para um fã dos Beatles", indica à RFI Brasil.

Pelo museu Beatles, passam anualmente cerca de 30 mil pessoas, mais do que recebe a maioria dos museus históricos argentinos. E entre os beatlemaníacos estrangeiros ou os beatleiros, como Rodolfo prefere chamar, os brasileiros são maioria.

"Os brasileiros já incorporaram o museu dentro do itinerário turístico de Buenos Aires. Muitos vêm e me trazem presentes. Discos, álbuns de figurinhas completos, coisas dos Beatles que nem eu sabia que existiam", conta Rodolfo. "Os brasileiros são muito beatleiros, define entre gargalhadas.

Tradução brasileira da obra dos Beatles

Anualmente, no The Cavern Club Buenos Aires, apresentam-se grupos covers do Beatles de toda a América Latina. O grupo ganhador do concurso vai tocar depois em Liverpool. Ao contrário dos argentinos, mais apegados ao modelo tradicional dos Beatles, os músicos brasileiros apresentam arranjos diferentes das canções.

"O argentino é muito mais fanático dos clones dos Beatles. Já o brasileiro tem musicalmente outra ideia. Misturam um pouco de jazz com blues e com a música popular brasileira. Fazem com que a versão fique totalmente diferente das versões argentinas", compara Rodolfo.

O mesmo vale para os quadros da exposição. "Há um traço nas formas, nas cores, na imagem em geral. Há algo carioca nos quadros", considera.

Um dos maiores exemplos da ótica brasileira sobre os Beatles é o disco de 2001, Aqui, Ali, em Qualquer Lugar, de Rita Lee, conhecido aqui como Bossa'n Beatles. O disco foi um sucesso na Argentina. Uma prova de que a combinação Brasil com Beatles agrada os argentinos.

"Esse é justamente o nosso próximo projeto", antecipa John Andrade. "Queremos fazer, no Brasil, uma homenagem casada: relacionar as músicas dos Beatles com artistas brasileiros que fizeram uma versão. Quadros baseados nos versos dos músicos brasileiros que interpretaram os Beatles, homenageando os dois", revela.

E seriam muitos os homenageados. Da base da Jovem Guarda de Roberto Carlos e Ronnie Von ao Tropicalismo de Caetano e Gil; do Rock de Lulu Santos ao Rock-Bossa Nova de Rita Lee, passando por Milton Nascimento ou por qualquer outro músico. Afinal, como tornar-se músico sem atravessar a Abbey Road que todos carregamos dentro?


Sobre o mesmo assunto

  • Beatles

    Liverpool comemora 50 anos do álbum "Sgt. Pepper", dos Beatles

    Saiba mais

  • Lendário produtor dos Beatles, George Martin morre aos 90 anos

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.