Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/09 15h27 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/09 09h57 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Mais de 5 milhões de crianças vivem na pobreza na Argentina, alerta Unicef

media Crianças na favela de Matadero em Quilmes, na Argentina. REUTERS/Marcos Brindicci

Cerca de 5,6 milhões de crianças estão na pobreza na Argentina, das quais 1,3 milhão vive na indigência. Os números fazem parte de um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), realizado com base em estatísticas oficiais e divulgado nesta quinta-feira (8).

Os dados do Instituto Nacional de Estatística e Censo (Indec) "permitem inferir que na Argentina 29,7% das pessoas está em situação de pobreza", assinala o relatório. Porém, a situação é ainda mais grave entre as crianças e adolescentes, pois "a pobreza extrema afeta 10,8%" dos menores de idade.

O relatório da Unicef adverte que a taxa de pobreza infantil e adolescente aumenta 85% quando são analisados os que vivem em um lar cujo chefe está desempregado. Já nas casas chefiadas por um assalariado informal, a pobreza entre os mais jovens aumenta 65%.

Além dos menores, os lares que têm mulheres como chefes de família estão mais comprometidos. De acordo com o estudo, a pobreza é 55,3% maior em casas onde o sustento econômico é provido por uma mulher.

O estudo analisa a chamada pobreza monetária, que identifica a população cujos rendimentos não são suficientes para adquirir uma cesta básica de alimentos (pobreza extrema) ou uma cesta básica total (pobreza), que inclui bens não alimentares, mas essenciais.

O resultado destas estatísticas é muito influenciado pelas mudanças nos preços. A inflação da Argentina superou os 40% em 2016 e acumulou 9,1% nos primeiros quatro meses deste ano.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.