Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Oposição desafia Maduro com nova marcha após 26 mortes em um mês

media Protestos contra o governo tomam conta das ruas da Venezuela . REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

A oposição venezuelana organiza nova manifestação nesta quarta-feira (26) no centro de Caracas, em um novo desafio ao presidente Nicolás Maduro, pressionado a convocar eleições gerais por uma onda de protestos que deixou 26 mortos em um mês.

"Não posso tolerar a violência. Lamento a morte de 26 pessoas, sejam do governo ou da oposição", declarou a procuradora-geral Luisa Ortega, em uma declaração à imprensa, a primeira desde o início dos protestos em 1º de abril.

As mobilizações organizadas pela oposição terminaram muitas vezes em confronto entre a polícia e manifestantes, distúrbios e saques, que deixaram 437 feridos e 1.289 detidos.

Um dia depois de um "bloqueio" de manifestantes contra Maduro nas avenidas mais importantes do país, que terminou em violência e deixou três mortos, os opositores organizam um protesto que pretende chegar à sede de uma das instituições que acusam de servir ao governo.

"Vamos avançando. Não nos renderemos. Se conseguirmos manter esta pressão, vamos conseguir a mudança. Na quarta-feira voltaremos às ruas", afirmou o vice-presidente do Parlamento de maioria opositora, Freddy Guevara.

Sem revelar seu destino final, a oposição pretende caminhar até a Defensoria do Povo, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) ou o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), localizados no centro da capital, considerado um reduto do chavismo.

Mas até agora as manifestações com destino ao coração da cidade foram bloqueadas pelas forças de segurança, que as dispersam com gás lacrimogêneo, jatos de água e balas de borracha.

Processo de destituição dos magistrados

Nesta terça-feira, o Parlamento, único poder controlado pela oposição, dará prosseguimento ao debate sobre o processo de destituição dos magistrados do TSJ, acusados de ter dado um "golpe de Estado" quando, no final de março, decidiram assumir as funções da Assembleia Nacional.

Embora o TSJ tenha recuado na decisão após uma forte pressão internacional, a oposição iniciou em 1º de abril uma onda de protestos para exigir eleições gerais e respeito à autonomia do Parlamento.

A oposição acusa o governo de repressão e o governo atribui aos adversários "atos de terrorismo" para dar um golpe de Estado e resultar em uma intervenção estrangeira.

"As ações de resistência que colocam o ditador contra a parede têm custos muito graves: mortos e presos", disse Guevara, do partido Vontade Popular, do líder opositor detido Leopoldo López.

O governo acusa em particular os deputados Guevara, José Guerra, Tomás Guanipa e Julio Borges, presidente do Parlamento, ameaçados de detenção.

"Quantos mortos a mais os extremistas da oposição precisam para abandonar a violência como forma de fazer política? Quantos mais?", questionou o general Vladimir Padrino López, comandante das Forças Armadas, aliado chave ao qual Maduro deu grande poder econômico e político.

Grupos chavistas

Guerra e Guanipa comparecerão nesta terça-feira à Procuradoria para rebater as acusações do governo, ao mesmo tempo que a Assembleia Nacional também debaterá sobre a ação dos "coletivos", como são chamados os grupos chavistas que segundo a oposição estão fortemente armados e provocam terror entre a população.

Para o analista Luis Vicente León, a Venezuela está diante de dois cenários: o aumento da pressão da oposição, com repressão do governo, apesar do repúdio e das sanções internacionais; ou a pressão chega ao nível máximo e consegue dividir internamente o chavismo e o setor militar.

"Isto é uma marcha sem retorno até que consigamos que os venezuelanos decidam como sair da crise. Convoco toda a Venezuela a sair às ruas", disse Borges.

Além da profunda crise política, a Venezuela sofre uma severa recessão econômica, com escassez de alimentos e remédios, além de uma inflação que, segundo o FMI, deve chegar a 720,5% este ano, a maior do mundo.

Irritados com a crise, sete em cada 10 venezuelanos reprovam a gestão de Maduro, que tem mandato até 2019.

Em uma tentativa de diminuir a tensão, Maduro reiterou seu chamado ao diálogo. Na segunda à noite, reuniu-se com o ex-presidente dominicano Leonel Fernández, um dos facilitadores da fracassada negociação mediada pelo Vaticano no final de 2016.

Neste contexto, a Eurocâmara voltará na quinta-feira a condenar a "brutal repressão" na Venezuela contra "protestos pacíficos", segundo a proposta de resolução apresentada conjuntamente pelos principais grupos parlamentares.

O Parlamento Europeu "condena energicamente a brutal repressão exercida pelas forças de segurança venezuelanos, assim como grupos armados ilegais, contra os protestos pacíficos que resultaram em mais de 20 mortos", aponta a proposta.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.