Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Porta-aviões dos EUA e sua frota se dirigem à península coreana

media O porta-aviões Carl Vinson (foto de arquivo) vai se posicionar na região a península coreana neste domingo (9). Mass Communication Specialist 3rd Class Tom Tonthat/Handout via

Menos de 48 horas após ter atacado uma base militar na Síria, os Estados Unidos parecem ter tomado uma posição em relação às ameaças da Coreia do Norte. Um porta-aviões americano e sua frota se dirigiram para a região da península coreana na madrugada deste domingo (9).

O movimento coincide com a intenção de Washington de promover sua capacidade defensiva na região, frente às ambições nucleares da Coreia do Norte. O regime de Kim Jong-Un foi classificado neste domingo pelos Estados Unidos como "irresponsável e desestabilizador", devido a seu programa de testes de mísseis e de armamento nuclear.

"O comando do Pacífico dos Estados Unidos ordenou ao grupo aeronaval do porta-aviões 'USS Carl Vinson' que se mobilize como medida prudente, para manter sua disposição e presença no Pacífico", explicou o porta-voz Dave Benham. De acordo com ele, "a principal ameaça na região continua sendo a Coreia do Norte".

A Coreia do Norte realizou cinco testes nucleares nos últimos anos, dois deles em 2016. Imagens de satélite obtidas por Washington mostram que Pyongyang pode estar se preparando para a sexta operação.

Operação acontece depois de reunião de Trump com Xi Jinping

O movimento americano no oceano Pacífico é registrado poucos dias depois de uma reunião do presidente americano, Donald Trump, e do chefe de Estado chinês, Xi Jinping, nos Estados Unidos. Um dos assuntos discutidos pelos dois líderes foi o programa nuclear norte-coreano. Xi Jinping, aliado de Kim Jong-Un, foi convidado a pressionar Pyongyang a colocar um fim em seus testes nucleares e balísticos.

Trump tem uma posição diferente de seu antecessor Barack Obama sobre a Coreia do Norte. O republicano já ameaçou atacar o país e a possibilidade de uma ofensiva americana na península coreana parece mais real neste momento em que o presidente americano quer se afirmar como líder. Na madrugada de sexta-feira (7), ele deu ordem para um bombardeio americano à base militar síria de Khan Sheikhun, uma decisão surpreendente e apoiada de forma unânime pelos países ocidentais.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.