Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/04 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/04 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/04 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/04 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/04 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/04 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/04 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/04 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Americanos serão prejudicados com plano de Trump para saúde, avisa Obama

media Manifestantes defendem o Obamacare durante protesto em frente ao Congresso americano. REUTERS/Aaron P. Bernstein

O ex-presidente americano Barack Obama rompeu nesta quinta-feira (23) seu longo silêncio desde que deixou a Casa Branca para alertar contra qualquer alteração no atual sistema de saúde público que possa atingir milhões de americanos.

Em um comunicado, Obama disse que o ponto de partida de qualquer mudança deveria ser para melhorar o sistema, "e não torná-lo pior para milhões de trabalhadores americanos". Na nota, emitida quando se completa nesta quinta o sétimo ano da aprovação do sistema de saúde que é considerado um legado de seu governo, o ex-presidente assinala que foi o primeiro líder do país a definir a saúde pública como um direito de todos.

"Depois de um século de conversações, décadas de tentativas e um ano de debate partidário, nossa geração teve êxito. Finalmente declaramos que, nos Estados Unidos, o cuidado com a saúde não é privilégio para poucos e sim um direito de todos", destacou. Obama enfatizou que em cada oportunidade é necessário "continuar a construir a partir dessa legislação".

O presidente Donald Trump prometeu durante sua campanha eliminar o sistema Obamacare e, nesta quinta, o Congresso deve iniciar o debate pra votar um projeto de lei - já chamado de 'plano Trump'. Porém, a discussão deverá ser longa e difícil.

Diversas fontes afirmam que o plano proposto pela Casa Branca deixará um enorme número de americanos sem cobertura médica, um contingente que o departamento de estatísticas do próprio Congresso calcula em 14 milhões de pessoas.

Na véspera da votação, partidários de Trump investiam nas articulações para revogar o Obamacare, mas até ontem à noite a Casa Branca não tinha certeza se conseguiria obter os 216 votos necessários para revogar o sistema criado pelo ex-presidente democrata.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.