Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 17/10 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 17/10 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 17/10 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 17/10 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/10 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 17/10 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 15/10 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 15/10 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Trump promete recorrer após nova derrota de decreto anti-imigração

media O presidente Donald Trump prmeteu nesta quarta-feira, 15 de março, recorrer à Suprema Corte para manter o decreto anti-imigração. REUTERS/Jonathan Ernst

Um juiz federal do Havaí bloqueou na noite de quarta-feira (15) o novo decreto sobre imigrantes e refugiados do presidente dos Estados Unidos. Donald Trump anunciou que vai recorrer da decisão na Suprema Corte americana para tentar reverter essa sua segunda derrota na Justiça sobre o tema.

O novo decreto anti-imigração, assinado por Trump há oito dias, entraria em vigor no primeiro minuto desta quinta-feira. O magistrado Derrick Watson indicou que sua decisão, que vale para todo o país, evitará "danos irreparáveis". Segundo ele, o texto é discriminatório e viola a Constituição americana.

O principal alvo do magistrado é a seção dois da nova lei migratória que proibia a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de seis países de marioria muçulmana, por 90 dias: Síria, Líbia, Somália, Iêmen, Sudão e Irã. O juiz Watson também bloqueou a seção seis, que suspendia a entrada em território americano de refugiados por 120 dias.

Nos Estados Unidos, um juiz federal pode suspender, parcial ou completamente, a aplicação de um decreto, e aprovar uma decisão de alcance nacional.

Trump acusa um "excesso judicial"

O presidente já prometeu entrar com recurso em caráter de emergência na Suprema Corte do país para manter o decreto. Em discurso em Nashville, no Tennessee, ele não escondeu sua revolta com a decisão que classificou como um "excesso judicial sem precedentes".

"Estamos falando sobre a segurança de nossa nação, a segurança de nosso povo! vocês não acham que isso foi decidido por um juiz por razões políticas? Essa decisão nos faz parecer fracos!", declarou Trump.

Essa é a segunda derrota na Justiça da política migratória que o presidente americano tenta implementar. O primeiro decreto anti-imigração, baixado logo após a posse de Trump em 20 de janeiro, foi invalidado por "discriminação religiosa".

A Casa Branca preparou a nova versão, evitando usar o termo muçulmano e justificando a luta contra o terrorismo, sem sucesso. Os advogados das organizações muçulmanas americanas que entraram na Justiça contra o decreto afirmam que "as mudanças são superficiais" e que o texto continua discriminando os 160 milhões de cidadãos dos seis países visados.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.