Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 23/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 23/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 23/11 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 23/11 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 23/11 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 23/11 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Venezuela se defende das acusações de secretário da OEA

media O secretário da OEA, Luis Almagro Foto: AFP.

O governo da Venezuela acusou o secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, de encorajar a intervenção internacional no país. A acusação acontece depois de Almagro ter condenado a omissão regional diante da crise política e econômica na Venezuela.

O secretário-geral também defendeu a suspensão de Caracas da instituição se as eleições gerais não forem convocadas rapidamente. Almagro fez a recomendação em uma carta de 75 páginas enviada ao Conselho Permanente da OEA. Ele pediu que as regras da organização sejam aplicadas à Venezuela e ameaçou suspender o país se eleições gerais não forem organizadas rapidamente, como pede a oposição.

As eleições presidenciais no país estão previstas para dezembro de 2018. O ex-ministro das Relações Exteriores uruguaio lembrou que todas as tentativas de diálogo entre o governo e os opositores fracassaram. Já a chancelaria venezuelana estimou que o posicionamento de Almagro foi guiado pelo “ódio” e pela sua cumplicidade com a oposição.

População virou refém

Em junho, Almagro apresentou diante do conselho permanente da organização um relatório no qual ele pede apoio aos esforços feitos pela oposição para organizar um referendo para tirar o presidente Nicolás Maduro do poder. Segundo ele, “o governo venezuelano viola os direitos de seus cidadãos, exerce pressões políticas, tortura, viola, corrompe, trafica drogas e mantém a população submetida à falta de alimentos, remédios e dinheiro para sobreviver”.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.