Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Odebrecht teria financiado campanha de presidente da Colômbia, diz funcionário

media Campanha do presidente colombiano Juan Manuel Santos teria recebido financiamento ilícito da Odebrecht. Scanpix/Haakon Mosvold Larsen/via REUTERS

A construtora Odebrecht, envolvida em um escândalo internacional de corrupção, teria financiado a campanha para a eleição em 2010 do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, segundo declarou nesta terça-feira (14) um membro da equipe de sua campanha, que negou que o chefe de Estado soubesse do caso.

"Disseram-me que eu deveria 'contratar dois milhões de cartazes' e eu perguntei: 'Quem pagará por isso?', 'a Odebrecht pagará, mande a fatura à Odebrecht' e foi isso que fiz", declarou Roberto Prieto, diretor de recursos na campanha eleitoral para o primeiro mandato do presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e chefe da campanha para a sua reeleição em 2014.

"O presidente não teve nada, absolutamente nada a ver com o episódio", ressaltou. Ao se inteirar da informação, Santos negou ter autorizado ou ter conhecimento de que a construtora Odebrecht teria financiado a propaganda de sua campanha eleitoral em 2010, e pediu punições para "qualquer ato de corrupção".

"Não autorizei, nem tive conhecimento dessas operações, que foram feitas em violação direta das normas éticas e de controle que exigi e se impuseram na campanha", assinalou o presidente colombiano em um vídeo em sua conta no Twitter, pedindo a "todas as autoridades competentes que punam todos os responsáveis por qualquer ato de corrupção".

Em fevereiro, o procurador-geral da Colômbia, Nestor Martinez, anunciou a abertura de uma investigação sobre a quantia estimada em US$ 1 milhão, doada para a campanha de reeleição de Santos em 2014, dinheiro procedente de um suborno para o ex-senador Otto Bula. Bula havia sido preso por supostamente receber suborno da Odebrecht para que a empresa ganhasse a licitação de um projeto de obras públicas no país.

Por conta das investigações sobre subornos da Odebrecht na Colômbia também foi preso o vice-ministro dos Transportes do governo de Alvaro Uribe (2002-2010), Gabriel Garcia, que se declarou culpado por receber US$ 6,5 milhões.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.