Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Flynn, secretário de Segurança de Trump, renuncia depois de conversa com embaixador russo

media O general da reserva Michael Flynn REUTERS/Carlos Barria

O general da reserva Michael Flynn renunciou nesta segunda-feira (13) ao cargo de secretário da Segurança Nacional do presidente americano Donald Trump. O motivo é a crise provocada pela polêmica conversa, em dezembro, entre Flynn e o embaixador russo em Washington, Serguei Kislyak, anunciou a Casa Branca.

Esta é a primeira baixa na equipe mais próxima de Trump, apenas quatro semanas depois da posse do republicano. O general da reserva, Joseph Kellogg, ocupará de forma interina o posto de conselheiro de Segurança Nacional, de acordo com o governo.

Em dezembro, quando Barack Obama ainda era presidente dos Estados Unidos, Flynn manteve uma conversa com o embaixador da Rússia em Washington, Sergei Kislyak, sobre as sanções americanas contra Moscou.

Na carta de demissão, Flynn admite que "transmitiu sem querer ao vice-presidente eleito informações incompletas sobre suas conversas telefônicas" com o embaixador russo. De acordo com o texto de renúncia, ele pediu desculpas ao vice-presidente Mike Pence e ao presidente Trump.

Algumas horas antes do anúncio da renúncia, o porta-voz da presidência, Sean Spicer, havia admitido que Trump avaliava a situação criada por Flynn e estava em contato com Pence para analisar o tema. Os congressistas democratas exigiam que Flynn renunciasse ou fosse demitido, enquanto os republicanos haviam optado por permanecer em silêncio.

Polêmica explodiu em janeiro

A polêmica explodiu em janeiro, quando veio à tona uma conversa entre Flynn e Kislyak. Mas, agora, o ex-conselheiro nega ter abordado o tema das sanções americanas contra Moscou. Em 15 de janeiro, cinco dias antes da posse de Trump, Pence apareceu em vários programas de TV para defender Flynn e reiterar que não fez menção à questão nas conversas com Kislyak.

Mas os jornais The Washington Post e The New York Times informaram na sexta-feira passada que os serviços de Inteligência descobriram que Flynn disse ao embaixador russo que o governo Trump poderia rever as sanções quando chegasse à Casa Branca.

Nomeação controversa

O legislador democrata Adam Schiff, membro do Comitê de Inteligência, havia solicitado a demissão ou renúncia do secretário depois da revelação. As conversas privadas com o diplomata russo aconteceram quando o governo de Barack Obama preparava um novo pacote de sanções contra Moscou, em represália à suposta interferência na campanha presidencial para favorecer Trump.

As agências de inteligência americanas já concluíram que o próprio presidente russo, Vladimir Putin, interferiu nas eleições. A administração Obama anunciou sanções em 29 de dezembro contra quatro cidadãos russos e cinco empresas. Também expulsou 35 diplomatas.

(Com informações da AFP Brasil)
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.