Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Justiça dos EUA nega recurso do governo para aplicar decreto que limita entrada de muçulmanos

media Manifestante protesta na posse de Donald Trump REUTERS/Peter Nicholls

O Ministério da Justiça americano entrou com um recurso neste sábado (4) à noite para suspender a decisão do juiz James Robart, de Seattle, que proíbe a aplicação do decreto de Trump, mas a Justiça recusou o pedido do governo.

O decreto limita a entra de cidadãos de sete países de maioria muçulmana (Síria Iraque, Irã, Iêmen, Líbia, Somália e Sudão). Uma decisão que gerou protestos em diversos países.

O governo alega que a decisão do juiz, que impede a aplicação do decreto, coloca em risco a segurança dos americanos. O presidente americano Donald Trump também reagiu em sua conta no Twitter, dizendo que a decisão “ridícula” de Robart desse “que se diz juiz” seria invalidada. O pedido foi rejeitado nesse domingo pela Corte de Apelação Federal.

Em sua residência em Palm Beach, na Flórida, onde passa o fim de semana, Trump justificou a medida “pela necessidade de impedir novos ataques no território americano”. Enquanto o recurso impetrado pelo governo não for analisado, três juízes decidirão se o recurso de Robart tem efeito suspensivo.

Governo autorizará "entrada temporária"

O departamento de Estado americano anunciou que autorizará “temporariamente” a entrada dos cidadãos dos sete países visados que tenham um visto válido. Companhias aéreas do mundo todo autorizaram o embarque de passageiros que estavam bloqueados depois da decisão do juiz federal americano.

Um porta-voz das Nações Unidas, Leonard Doyle, disse que ao jornal americano New York Times que cerca de 2 mil refugiados aguardavam a autorização para entrar nos Estados Unidos.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.