Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Congresso da Colômbia aprova histórica lei de anistia para Farc

media Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia Reuters

O Congresso da Colômbia aprovou na quarta-feira (28) uma lei de anistia que o governo qualificou de "histórica" e primeiro passo para a consolidação do acordo de paz alcançado no final de novembro com a guerrilha das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

"Obrigado ao Congresso que, com votação histórica, aprovou a Lei de Anistia, primeiro passo para a consolidação da paz", escreveu o presidente Juan Manuel Santos em sua conta no Twitter.

A norma, que prevê tratamento jurídico especial, anistia e indulto a membros das Farc acusados de crimes políticos e conexos, foi aprovada no Senado por 69 votos a favor e nenhum contra, após passar na Câmara de Representantes por 121 votos a 0.

O direitista Centro Democrático, liderado pelo senador e ex-presidente Álvaro Uribe, ferrenho opositor ao pacto, participou dos debates, mas abandonou os dois recintos no momento da votação.

"Saudamos a aprovação da Lei de Anistia. Este é mais um passo no longo caminho dos colombianos em direção à paz", tuitou o chefe máximo das Farc, Rodrigo Londoño "Timochenko".

Penas alternativas

A lei faz parte do acordo de paz firmado em 24 de novembro pelo governo Santos e as Farc, a principal guerrilha do país, para superar um conflito armado de mais de meio século. E exclui de seus benefícios os responsáveis por crimes contra a humanidade, genocídio, estupros, tortura e execuções extrajudiciais, entre outros.

Segundo o acordo de paz, quem confessar crimes atrozes perante um tribunal especial poderá evitar a prisão e receber penas alternativas. Se não o fizer e for declarado culpado, será condenado a de 8 a 20 anos de prisão.

"Agora 5.700 guerrilheiros começarão a descer das montanhas e entregar suas armas", disse o presidente do Senado, Mauricio Lizcano, citado em um comunicado de seu gabinete.

O trâmite nas duas câmaras foi realizado em sessões extraordinárias, através de um mecanismo de via rápida ("fast track"), que permite reduzir o número de debates necessários para a validação das normas relacionadas com o acordo

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.