Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/02 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/02 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/02 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/02 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/02 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/02 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/02 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/02 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Haiti se prepara para chegada do furacão Matthew

media População tenta se refugiar nos poucos abrigos disponibilizados pelas autoridades REUTERS/Andres Martinez Casares

O furacão Matthew, apontando com o mais poderoso ciclone da última década no Caribe, avançava lentamente nesta segunda-feira (3), em direção a Haiti, Jamaica e Cuba. As autoridades haitianas estão preocupadas com a chegada dos ventos e as possíveis inundações no país. Uma morte já foi registrada.

Catalogado na categoria quatro de uma escala que vai até cinco, o furacão chega acompanhado de ventos de 230 km/h e fortes chuvas. As autoridades estimam que Matthew deve chegar à costa do Haiti na madrugada de segunda para terça-feira (4).

Um alerta vermelho já foi decretado em todo o território. Escolas e os dois aeroportos do país foram fechados. Ondas de até 10 m de altura são esperadas pelas autoridades, que temem que parte do litoral seja submerso.

O presidente interino do Haiti, Jocelerme Privert, fez um pronunciamento na noite de domingo (2) para prevenir a população. “Não sejam teimosos. É preciso esvaziar as zonas que representam um risco”, disse o chefe de Estado.

População esvazia supermercados para estocar comida

Cerca de 1300 abrigos provisórios foram criados para proteger a população. A estrutura é capaz de acolher cerca de 300 mil pessoas, em um país que tem 11 milhões de habitantes. A Minustah, missão da ONU presente do país, que conta com um forte contingente de brasileiros, deve enviar reforços.

O Haiti é um dos países mais pobres do mundo, e ainda não se recuperou do terremoto que, em 2010, deixou cerca 230 mil mortos e mais de 1 milhão de desabrigados. Diante da ameaça de mais uma catástrofe natural, a minoria mais abastada da população corre para os supermercados para estocar alimentos. Segundo a correspondente da RFI no país, Amélie Baron, nesta segunda-feira as prateleiras estavam quase vazias. Já no comércio de rua, usado pela população desfavorecida, os vendedores ambulantes vendem o que podem antes da chegada do furacão.

Comércio de rua no Haiti pouco antes da chegada do furacão Matthew REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Furacão já provocou mortes

Um homem morreu nesta segunda-feira quando sua embarcação naufragou e outro permanece desaparecido. O barco transportava três pescadores. Dois deles conseguiram chegar à praia, mas o corpo sem vida do terceiro foi encontrado posteriormente.

Outra embarcação precária sofreu danos em outra região. Três ocupantes sobreviveram, mas o quarto continua desaparecido. Diante da ameaça de Matthew, as autoridades haitianas proibiram qualquer atividade marítima desde a tarde de sábado (1°).
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.