Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Obama faz último discurso na ONU com apelo sobre guerra na Síria

media Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, faz seu último discurso na 71ª Assembleia Geral da ONU em 20 de setembro de 2016 REUTERS/Kevin Lamarque

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, despediu-se da Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira (20) com um dramático apelo para que se apoie os esforços da diplomacia para conter a violência na Síria. Ele deixará a Casa Branca em janeiro de 2017.

"Em um lugar como a Síria, não se pode alcançar uma vitória militar, e temos de continuar com a difícil tarefa da diplomacia, que se propõe a interromper a violência e fazer a ajuda chegar aos que necessitam dela", afirmou o presidente.

O discurso foi feito depois que chanceleres de 23 países realizaram uma reunião de urgência em um hotel de Nova York para tentar manter de pé o frágil cessar-fogo na Síria negociado por Estados Unidos e Rússia e que mal durou uma semana. Ministros que participaram da reunião disseram à imprensa que o clima do encontro foi tenso. Na saída, o secretário de Estado americano, John Kerry, limitou-se a declarar aos jornalistas que "o cessar-fogo não está morto". Presentes em Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU, as partes envolvidas esperam retomar as discussões esta semana.

Em seu pronunciamento, Obama não poupou críticas a Moscou, seu principal associado na busca de uma saída para a tragédia síria. De acordo com o presidente americano, a Rússia tenta recuperar "sua glória passada pela força", o que pressiona as relações internacionais. "Se a Rússia continuar interferindo nos assuntos internos de seus vizinhos, isso pode ser popular em seu país. Pode impulsionar o fervor nacionalista por algum tempo, mas, com o passar do tempo, também vai diminuir sua estatura e tornar suas fronteiras menos seguras", afirmou.

Obama pede atenção aos refugiados

O presidente dos Estados Unidos também pediu à comunidade internacional que fortaleça suas ações em favor dos milhões de refugiados. "Juntos temos de abrir nossos corações e ter mais para ajudar refugiados que estão desesperados por um teto", insistiu Obama.

A comunidade internacional - acrescentou - deve receber de braços abertos as declarações de intenção em ajudar. "Mas temos de ir a fundo, mesmo quando as políticas são difíceis. (...) Devemos imaginar como seria com nossa família, com nossos filhos", completou.

Obama pediu ainda que se ponha o acordo de Paris sobre o clima em prática o quanto antes. "Se não agirmos energicamente, teremos imigrações em massa e cidades submersas e nações deslocadas e reservas de alimentos dizimadas".

Recado indireto a Trump

Obama lançou um alerta diante do que chamou de "populismo grosseiro, às vezes de esquerda, mas muito mais comumente da direita", tanto nos Estados Unidos quanto no mundo. "Enquanto esses problemas foram minimizados, as visões alternativas do mundo abriram caminho", declarou, em mensagem na Assembleia Geral da ONU.

Em uma parte de seu discurso aparentemente dirigida ao candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, Obama disse que esse "populismo" muitas vezes "reflete a insatisfação entre muitos dos nossos cidadãos", mas apontou que a saída não é a ruptura com a integração global.

Para Obama, "um país cercado por um muro estará cercando apenas a si mesmo" - em uma clara referência à proposta de Trump de construir um muro na fronteira com o México, para impedir a entrada de imigrantes e de proibir o ingresso de refugiados muçulmanos. Na opinião do presidente americano, "um mundo no qual 1% da humanidade controla tanta riqueza quanto os demais 99% nunca será estável". Ele disse compreender que "o abismo entre ricos e pobres não é novo", mas reconheceu que existe "um sentimento geral de injustiça".

Informações da AFP
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.