Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Agência antidrogas dos EUA mantém proibição ao uso medicinal da maconha

media Cultivo de cannabis em Denver, Colorado. REUTERS/Rick Wilking

A agência federal antidrogas dos Estados Unidos (DEA) informou na quinta-feira (11) que vai continuar rejeitando solicitações para autorizar o uso da maconha com fins medicinais. A substância é normalmente prescrita para tratar dores e outros mal-estares crônicos, como as náuseas.

A decisão implica um conflito entre um número crescente de estados americanos e as normas federais, visto que quase a metade deles aprovaram leis autorizando o acesso ao cannabis com propósitos medicinais.

No entanto, o governo federal aprovará a ampliação das pesquisas sobre a maconha, de modo que as organizações poderão pedir autorização para cultivá-la e usá-la em estudos. Atualmente, apenas a Universidade do Mississippi está autorizada a fazer tais pesquisas.

O diretor da DEA, Chuck Rosenberg, disse que a proibição da maconha continuará devido à "falta de segurança para seu uso sob supervisão médica". Ao justificar a medida, a DEA citou uma avaliação científica e médica realizada pela Administração de Alimentos e Remédios e o Instituto Nacional sobre Abusos de Drogas.

"A decisão da DEA vai contra a ciência objetiva e uma opinião pública esmagadora", lamentou Aaron Smith, presidente da Associação Nacional da Indústria do Cannabis, um grupo comercial com sede em Washington.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.