Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/03 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/03 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/03 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/03 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/03 09h30 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/03 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/03 15h00 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Pior tiroteio da história dos EUA deixa 50 mortos em boate gay em Orlando

media Amigos e parentes das vítimas choram em frente à delegacia Reuters

O ataque a uma boate gay de Orlando, o pior com arma de fogo da história americana, deixou 50 mortos e 53 feridos, segundo um novo balanço, divulgado na tarde deste domingo (12) pelo prefeito da cidade, Buddy Dyer. O balanço inicial dava conta de 20 mortos e 40 feridos. O autor do ataque, morto em confronto com a polícia, foi identificado por redes de TV como sendo Omar Mateen, cidadão americano de 29 anos de origem afegã.

Ainda não está claro se as vítimas morreram durante a tomada de reféns ou no confronto entre o atirador e a polícia. O agressor morreu dentro do local. O ataque à boate Pulse, no centro, começou por volta das 2h da madrugada. Segundo testemunhas, um homem abriu fogo com um fuzil AR-15.

O FBI anunciou que investiga o caso como um ato terrorista. A coletiva de imprensa do prefeito Buddy Dyer, nesta tarde, contou com a participação de um imã, que pediu calma e que a população e a mídia não tirem conclusões precipitadas.

O prefeito solicitou ao governador da Flória a instauração de um estado de emergência, quer permitirá mobilizar recursos suplementares.

O presidente Barack Obama pediu que o governo federal forneça toda a ajuda necessária. A candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, publicou no Twitter que acordou com a chocante notícia e enviou solidariedade aos afetados pela tragédia. Já Donald Trump, o candidato republicano, classificou o tiroteio de "terrível".

O presidente francês, François Hollande, expressou o apoio total da França e dos franceses às autoridades e ao povo norte-americano.

Relatos de testemunhas

De acordo com um dos clientes da boate Pulse, em Orlando, entrevistado pela rede CNN, por volta das 2h da madrugada um homem entrou no local e começou a atirar a esmo. “Todo mundo se jogou no chão”, disse. Segundo ele, o autor dos disparos provavelmente atirava para cima, porque as lâmpadas começaram a cair. “Ele atirou sem parar, provavelmente menos de um minuto, mas parecia muito mais demorado”, descreveu.

Uma das vítimas que estava no bar descreve uma cena de horror, com sangue espalhado pelo chão e pessoas fugindo de todos os lados. Muitos clientes escaparam pela porta de trás da boate.

A polícia fechou o bairro e recomendou à população que se distanciasse do local. O suspeito de ser autor dos tiros estaria morto, mas as informações são contraditórias. De acordo com mensagens publicadas no Twitter por clientes, ele ainda estaria na boate com reféns. A polícia não deu maiores detalhes e fala em “explosão controlada”, pedindo que a imprensa evite "especulações". Uma coletiva ocorrerá por volta das 7h no horário local.

Cantora é assassinada depois de show

Um outro crime chocou os Estados Unidos neste sábado. A cantora Christina Grimmie, 22 anos, ex-candidata do programa "The Voice", morreu depois de levar um tiro durante uma sessão de autógrafos no Plaza Live d'Orlando. A artista de 22 anos tinha acabado de se apresentar com o grupo Before You Exit e estava recebendo os fãs quando um homem entrou armado de duas pistolas e uma faca, atirou na cantora e se suicidou. Levada para o hospital, a jovem cantora não resistiu aos ferimentos e morreu.

O suspeito, de 27 anos, se chama Kevin James Loibl e era da cidade de St Petersburg, no estado da Flórida, no sul dos Estados Unidos. De acordo com o chefe da polícia local, John Mina, ele teria vindo a Orlando especialmente para cometer o crime, mas suas motivações ainda são desconhecidas. Nos Estados Unidos, os crimes cometidos com armas de fogo são quase diários. Desde o início do ano, já houve mais de 5800 mortos no país e cerca de 23 mil incidentes.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.