Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 27/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 27/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 27/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Para enfrentar Trump, Clinton reivindica direito ao aborto

media Hillary Clinton defendeu o direito ao aborto diante da organização americana de planejamento familiar, Planned Parenthood. . REUTERS/Gary Cameron

A candidata democrata à Casa Branca, Hillary Clinton, colocou a defesa do direito ao aborto no centro de sua campanha presidencial, tachando seu adversário, o republicano Donald Trump, de sexista e inimigo dos direitos das mulheres.

Em um discurso solene diante do braço político da grande organização americana de planejamento familiar, Planned Parenthood, Hillary se opôs ao aborto e alfinetou o rival republicano. "Quando Donald Trump disse para devolvermos aos Estados Unidos sua grandeza, o que realmente ele queria dizer é façamos um retrocesso no país", expressou a candidata, "a uma época em que o aborto era ilegal".

"Ele disse que as mulheres deveriam ser castigadas se abortassem", lembrou Clinton, afirmando que Trump teve que se retratar após os protestos gerados por sua declaração. A democrata acrescentou que o rival "trata as mulheres como porcos, cães, animais repugnantes. É difícil imaginar que ele pense em respeitar nossos direitos fundamentais quando diz que as mulheres grávidas são um problema para o seu empregador".

"Se lutar pela igualdade de salários, pelo planejamento familiar e pelo direito de tomarmos nossas próprias decisões de saúde é jogar a carta das mulheres, então pego essa carta", afirmou Clinton.

Democrata tem discurso cada vez mais ofensivo

O estilo direto que adotou recentemente para enfrentar Donald Trump, a quem simplesmente chama de "Donald" para diminuir seu status, ganhou mais força ao integrar causas ligadas aos direitos das mulheres. Clinton lembrou sua militância de longa data pela igualdade entre homens e mulheres, desde seus anos de primeira-dama até seu período como chefe da diplomacia do país, quando foi secretária de Estado no primeiro mandato de Barack Obama.

O contexto do discurso, o primeiro desde que reivindicou a vitória nas primárias democratas contra Bernie Sanders, é a impopularidade excepcional do candidato republicano com o eleitorado feminino.

Segundo as pesquisas divulgadas recentemente pela Fox News, cerca de 64% das mulheres disseram ter opinião desfavorável a Trump, contra 49% para Clinton. A metade das mulheres planeja votar na candidata democrata, enquanto 32% votariam em Trump.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.