Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 13/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 13/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 13/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 13/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 13/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 13/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Após apuração de 100% dos votos no Peru, Kucynski conquista 50,12%

media Com vitória apertada, Pedro Paulo Kuczynski é o virtual novo presidente do Peru. REUTERS/Mariana Bazo

A vitória oficial só poderá ser anunciada após revisão de 0,2% dos votos, mas a imprensa peruana apontava já na noite de quinta-feira (9) que o economista de centro-direita Pedro Pablo Kuczynski era o virtual novo presidente do Peru. Com 100% dos votos apurados, ele recebeu 50,12%, enquanto a oponente populista Keiko Fujimori alcançou 49,88%, de acordo com a agência eleitoral nacional do Peru.

 

 

O segundo turno das eleições no Peru aconteceram no domingo (5). A diferença de votos até quinta de noite era de cerca de 40 mil em favor do liberal moderado Kuczynski, do Peruanos Pela Mudança (PPK), sobre a populista de direita Keiko Fujimori, de acordo com o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (Onpe).

Esta é a segunda vez que a filha do autocrata Alberto Fujimori, que governou o Peru de 1990 a 2000, disputa a eleição presidencial. Ela amarga a segunda derrota, apesar de ter sido considerada favorita durante quase toda a campanha. Em 2011 ela perdeu para o presidente Ollanta Humala. Na votação passada, Kuczynski ficou em terceiro lugar.

Congresso é de maioria fujimorista

Cerca de 23 milhões de peruanos votaram no domingo de forma tranquila para eleger o novo presidente, após uma longa campanha em que Keiko Fujimori era a favorita para substituir Humala na presidência a partir do próximo 28 de julho.

O fujimorismo luta para voltar ao poder 16 anos depois de o pai da candidata, Alberto Fujimori, ter fugido para o Japão e renunciado à Presidência por fax, pondo fim a um governo repressor e corrupto (1990-2000). Durante a campanha, mais que propostas, houve troca de acusações entre os candidatos.

Kuczynski começou a ganhar terreno na reta final da disputa, estimulado pelo bom desempenho no último debate presidencial, pelo apoio da maioria dos candidatos derrotados no primeiro turno − incluindo a popular candidata de esquerda Verónika Mendoza − e um protesto organizado por grupos civis contra a candidatura de Fujimori.

Uma vez confirmada a vitória, Kuczynski terá que buscar consenso em um Congresso de maioria absoluta fujimorista − 73 de 130 representantes −, com apenas 18 legisladores de seu partido."Vamos ter um governo de consenso, não mais lutas nem confronto", afirmou Kuczynski no domingo.

Keiko manterá importante força de negociação

Keiko Fujimori manterá o controle de sua bancada parlamentar, com uma importante força de negociação e o respaldo de 50% da população, o que lhe permitiria incluir na pauta inclusive a concessão da prisão domiciliar a seu pai, Alberto Fujimori, que desde 2009 cumpre uma condenação de 25 anos por crimes de corrupção e contra a humanidade. Esta possibilidade já havia sido mencionada pelo próprio PPK.

Keiko viu sua candidatura perder força pelo vínculo de pessoas de seu entorno a denúncias de corrupção, lavagem de dinheiro e narcotráfico. Seus adversários conseguiram divulgar a ideia de que, em caso de vitória fujimorista, ficaria institucionalizado um "narcoestado", com o retorno do clã ao poder.

Keiko reconstruiu sua imagem pública, com uma tentativa de divulgar novos valores e se distanciar da autocracia de seu pai, que em 5 de abril de 1992 deu um autogolpe, com o qual fechou o Congresso e assumiu o controle das instituições do Estado, com mais duas reeleições para a presidência.
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.