Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Opositor convoca população a "ignorar" estado de exceção na Venezuela

media O líder opositor Henrique Capriles, durante manifestação contra o governo de Nicolás Maduro no dia 14 de maio. Fuente: Reuters.

A oposição venezuelana debaterá nesta terça-feira (17) no Parlamento, onde tem maioria, o decreto de estado de exceção com o qual o presidente Nicolás Maduro se atribui amplos poderes para enfrentar a crise econômica e conter a ofensiva que pretende afastá-lo do poder.

Algumas horas antes do debate, o líder opositor venezuelano Henrique Capriles convocou a população a "ignorar" o decreto de estado de exceção se a Assembleia Nacional rejeitar a medida e insistiu na convocação de um protesto para exigir a aceleração do processo para um referendo revogatório. "Convocamos um protesto para quarta-feira", lembrou Capriles. O governo já anunciou que proibirá a manifestação.

A Assembleia vai examinar o decreto, como determina a lei, mas com certeza vai rejeitar o texto, o que deixará a palavra final com o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que a oposição acusa de ser um apêndice do governo. O Legislativo rejeitou o decreto de emergência econômico assinado por Maduro em janeiro, mas o TSJ validou o texto ao destacar que a votação parlamentar não afeta a integridade da medida.

Na sexta-feira passada, Maduro prorrogou pela segunda vez o decreto e acrescentou o estado de exceção por 60 dias, com o qual passou a ter amplas faculdades para governar nas áreas política, econômica, social e ambiental.

"É uma habilitação ilimitada a favor do presidente, cujo poder se concentra e aumenta", disse o constitucionalista José Ignacio Hernández.

Entre as justificativas, o texto publicado na segunda-feira indica que, depois de assumir o controle do Parlamento em janeiro, a oposição pretende o "desconhecimento de todos os poderes públicos" e estimula a "interrupção do mandato" de Maduro, em referência ao referendo revogatório que os opositores planejam convocar contra o presidente. Também denuncia um vínculo entre opositores e grupos criminosos "financiados a partir do exterior" para gerar "problemas de ordem pública que justifiquem uma intervenção de poderes estrangeiros".

Decreto endurece policiamento

O decreto ordena à Força Armada Bolivariana e aos demais órgãos de segurança que "garantam a correta distribuição e comercialização de alimentos e produtos de primeira necessidade". A medida se associa aos recém-criados Comitês Locais de Abastecimento e Distribuição (CLAP), grupos de cidadãos encarregados da entrega direta de alimentos subsidiados para evitar que terminem nas mãos de contrabandistas.

Maduro atribuiu ainda aos CLAPs "funções de vigilância e de organização", conjuntamente com as Forças Armadas e a polícia, "para manter a ordem pública e garantir a segurança e a soberania do país".

O presidente já havia ordenado a tomada das indústrias paradas, colocando na mira quatro fábricas da cervejeira Polar − principal produtora de alimentos e bebidas do país −, fechadas por falta de divisas para comprar insumos no âmbito do ferrenho controle cambial.

O governo justifica o estado de exceção por um suposto complô dos Estados Unidos e de líderes opositores para intervir no país com as maiores reservas de petróleo do planeta, sob o pretexto de uma crise humanitária. Diante desta "ameaça externa", Maduro ordenou a realização no próximo sábado de exercícios militares.

Na segunda-feira, os Estados Unidos expressaram sua preocupação com as "terríveis" condições de vida dos venezuelanos, e pediram a Maduro que escute os críticos para não aprofundar a crise.

A oposição deseja a realização do referendo ainda este ano, porque se a votação acontecer depois de 10 de janeiro de 2017 - quando o atual mandato presidencial completa quatro anos - e Maduro perder, os dois anos restantes serão completados pelo vice-presidente, designado pelo chefe de Estado. Se a votação acontecer antes da data e Maduro for derrotado, novas eleições serão convocadas.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.