Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Venezuela aumenta preço da gasolina após 20 anos sem reajuste

media Os postos de gasolina devem enfrentar longas filas hoje, antes do reajuste na Venezuela. Foto: Reuters

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quarta-feira (17) um expressivo aumento nos preços da gasolina e uma desvalorização da moeda nacional, o bolívar, para enfrentar a profunda crise econômica do país.

Elianah Jorge, correspondente em Caracas

Pela primeira vez em 20 anos, os preços dos combustíveis foram reajustados na Venezuela. O litro da gasolina aditivada passa de US$ 0,01 para US$ 0,60, o equivalente a seis bolívares por litro, conforme anúncio feito por Maduro em rede nacional de rádio e televisão. Embora sofra um acréscimo de 6.000%, o combustível venezuelano continua sendo o mais barato do mundo.

Os novos preços entram em vigor nesta sexta-feira (19). Hoje, são esperadas longas filas nos postos de gasolina. Será a última vez que os venezuelanos irão pagar pelo tanque cheio o mesmo valor que pagarão amanhã por um litro de combustível. 

Maduro adiou essa decisão várias vezes porque temia uma nova convulsão social como a ocorrida em 1989 e que ficou conhecida como "El Caracazo". Na época, um pacote econômico elevando os preços da gasolina e de alimentos provocou uma onda de saques e manifestações populares duramente reprimidas pelo Exército. Os distúrbios deixaram 71 mortos.

Desvalorização da moeda encarece alimentos e remédios

Além do aumento da gasolina, Maduro também anunciou reformas no complexo sistema cambial venezuelano que terá, a partir de sexta-feira, apenas duas bandas. Atualmente, são três. Com isso, o dólar para importar alimentos e remédios passou de 6,3 bolívares para 10 bolívares, o que implica uma desvalorização de 37% da moeda nacional. A outra banda do sistema cambial será "flutuante" a partir dos 200 bolívares por dólar.

O líder venezuelano também anunciou o 11° aumento do salário mínimo desde que chegou ao poder. A partir de 1° de março, o mínimo subirá 20%, passando de 9.600 bolívares para 11.520 bolívares.

Para economistas, Venezuela caminha para hiperinflação

Economistas receberam as medidas do governo com pessimismo, estimando que a Venezuela caminha para um quadro de hiperinflação. O país tem a maior inflação do mundo − 141%, segundo o índice anualizado de setembro de 2015. A economia local registrou uma contração de 7% no ano passado e o déficit público atingiu 20%. Analistas consideram as medidas anunciadas ontem um paliativo que terá o efeito de uma pequena injeção na parte fiscal, mas nada que ajuste a precária saúde financeira do país.

Recentemente, Maduro enviou ao parlamento um Decreto de Emergência Econômica que se transformou em motivo de controvérsia com a maioria parlamentar de oposição. A Assembleia Nacional reprovou o texto, que acabou sendo aprovado unilateralmente pelo Supremo Tribunal de Justiça. Tendo em vista a delicada situação na qual a Venezuela está imersa, o aumento da gasolina pode ser o estopim para um caos social.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.