Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Maconha medicinal começa a ser vendida em Nova York

media Maconha medicinal começa a ser vendida em Nova York REUTERS/Andres Stapff

A maconha medicinal começa a ser vendido nesta quinta-feira (7) no estado de Nova York, o 23º dos Estados Unidos a autorizar essa medida. Embora a Assembleia Estadual tenha aprovado o texto legislativo há 18 meses, as cinco empresas escolhidas para cultivar e vender maconha para uso terapêutico foram nomeadas apenas no final de julho.

Dessas empresas, a Bloomfield Industries é a única que decidiu abrir sua fábrica de 23 mil m2 na própria Big Apple, em uma zona industrial em uma estrada no Queens (nordeste da cidade).

As outras abriram suas plantas em lugares mais baratos e menos expostos, especialmente no norte do estado, que atinge locais da fronteira canadense.

Cultivos legais já existem em Denver (Colorado, centro) ou São Francisco (Califórnia, oeste), mas trata-se de uma novidade nos Estados Unidos para uma cidade de mais de um milhão de habitantes.

"Achamos que poderíamos formar a melhor equipe de horticultores, cientistas e farmacêuticos se instalássemos nossa planta em Nova York", explicou um porta-voz da Bloomfield, que emprega cerca de cem pessoas.

Visto do lado de fora, o local lembra um depósito de paredes desgastadas, cujas portas foram obstruídas com a ajuda de blocos de cimento e janelas cobertas com madeira. Não há agentes de segurança nem policiais na área.

A cargo integral do paciente

Na quinta-feira, as 20 clinicas previstas ainda não estarão abertas. O início da venda será progressivo, uma vez que, de qualquer maneira, os pacientes só começaram a se inscrever em 23 de dezembro.

Apenas poderão ter acesso à maconha medicinal as pessoas afetadas por doenças graves como câncer, mal de Parkinson, esclerose múltipla ou certas formas de epilepsia. O produto oferecido não será erva para fumar, mas pílulas, óleos ou gotas.

Segundo Nicholas Vita, diretor-geral da Columbia Care, outra das empresas escolhidas, entre 0,5 e 1,5% da população do estado de Nova York, cerca de 100 mil e 300 mil pessoas, podem ser autorizadas a comprar maconha medicinal.

O médico Stephen Dahner, responsável médico do Vireo Health para Nova York, outro laboratório autorizado, prefere ser prudente quanto a suas estimativas. Dahner tem como exemplo Minnesota (centro-norte), onde o Vireo está presente e o consumo foi menor do que o esperado.

Nenhuma das três empresas contatadas pela agência France Presse deu suas tarifas, mas uma fonte próxima ao caso afirmou que a maconha custaria ao menos cerca de US$ 200 mensais por paciente.

A quantia deverá ser paga de maneira integral pelo doente, já que nenhum seguro médico norte-americano cobre esse tipo de tratamento. Nicholas Vita argumenta que os pacientes que não tenham recursos suficientes receberão descontos.

Vinte anos após a Califórnia tornar-se pioneira na legalização da maconha com fins terapêuticos no país, já são 23 estados e a capital Washington que adotaram a medida. "As coisas estão indo na direção certa", avalia Stephen Dahner, alertando que "existem muitos tabus em torno da maconha".

A maconha ou seus produtos derivados não estão submetidos ao controle da agência norte-americana de medicamentos e alimentação (FDA) e carece de estudos científicos.

Segundo uma pesquisa realizada em maio do ano passado pelo instituto Harris, cerca de 81% dos norte-americanos se declara favorável à legalização da maconha para fins medicinais.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.