Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 10/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 10/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 10/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 10/12 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 10/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 10/12 08h30 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 09/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 09/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Exclusivo : Presidente do Equador diz que não vai tentar reeleição

media O presidente equatoriano Rafael Correa pretende deixar a vida política, pelo menos temporariamente. RFI/ Orlando Torricelli

O presidente equatoriano, Rafael Correa, disse que pretende se retirar da política após o final de seu mandato. Em Paris, durante entrevista exclusiva à RFI, o líder latino-americano disse que gostaria de morar algum tempo na Bélgica, onde vive uma parte da família, mas não descartou um retorno à vida pública mais tarde.

Asbel López

Após terminar seu terceiro mandato em 2017, Correia não planeja “regressar para a vida política”, onde há, segundo ele, “as maiores nobreza humanas, mas também as maiores misérias”. As declarações são feitas após a informação, divulgada pelo presidente boliviano Evo Morales, de que o equatoriano não tentaria a reeleição por “razões familiares”, mesmo se os responsáveis da comunicação do governo desmentiram, alegando que se tratava de uma decisão ligada à “considerações políticas”.

Durante a entrevista à RFI, Correia explicou sua posição e disse que, depois de ter vivido 25 anos no Equador, “é a hora de passar um tempo na Bélgica”, de onde são oriundos sua mulher e seus sogros. A intenção do presidente é “dar mais tempo” para essa parte da família.

A saída de Correia da vida pública também estaria ligada à sua análise da evolução da política equatoriana. “Estava disposto, se necessário, me apresentar novamente em 2017. Mas com o avanço das coisas nos últimos meses, com uma oposição tão dividida, sem bons candidatos, sem propostas, bastante medíocres, apesar do apoio indecoroso, indecente e descarado dos meios de comunicação, creio que não vai ser necessário”, comentou.

Porém, o presidente deixa a porta aberta para novas aventuras políticas. “Não se pode dizer ‘desta água não beberei’”, comentou Correia.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.