Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 24/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 24/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 23/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 23/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Últimas notícias
  • Luka Modric é eleito melhor jogador de 2018 pela Fifa

Pesquisadores encontram agrotóxico cancerígeno em absorventes

 Pesquisadores encontram agrotóxico cancerígeno em absorventes
 
Reprodução/Facebook

Na Argentina, um grupo de químicos da Universidade de La Plata (UNLP), especializados em estudar os efeitos do agrotóxico glifosato no meio ambiente descobriu a presença da substância no algodão e, consequentemente, em cotonetes, gazes esterilizadas e até em absorventes íntimos. A polêmica substância, carro-chefe da multinacional Monsanto, foi classificada como “potencialmente cancerígena" pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no começo de 2015.

A descoberta foi acidental. De acordo com o professor da UNLP e diretor do estudo Damian Marino, uma pesquisa levou à outra: “Nosso laboratório estuda a presença do glifosato no meio ambiente há mais de 15 anos”, conta. “Estavamos medindo sua presença no ar e utilizávamos a gaze de algodão como mostruário. Quando fomos preparar o material, descobrimos que a gaze que estávamos usando tinha glifosato”.

A pesquisa, que foi apresentada neste mês no Terceiro Congresso Nacional de Médicos de Povoados Fumigados, na Universidade de Buenos Aires, encontrou o produto da Monsanto em 100% do algodão e da gaze esterilizada vendidos na Argentina. O pesticida também foi encontrado em 85% dos absorventes femininos.

A culpa é dos transgênicos

Para Marino, o problema não está só na Argentina: “a hipótese mais sólida que temos é de que esse fenômeno se deve, na verdade, ao tipo de algodão: a Argentina e, acredito que boa parte da América Latina, está focada no cultivo do algodão transgênico, resistente ao glifosato, que é parte do coquetel químico que hoje sustenta a produção”.

A ideia dos pesquisadores argentinos é ampliar o estudo ao lado de profissionais da saúde, agrônomos e representantes do Estado. “Quanto aos pesticidas, tudo que for feito será pouco”, alerta. “Há muitos compostos que estão chegando no mercado e ainda nem estão regulados. (...) A tecnologia vai muito mais rápido que a capacidade do governo.”

Assim sendo, é preciso vontade política para combater o avanço e a agressividade do mercado de agrotóxicos. Para Marino, essa não será prioridade nem do candidato socialista Daniel Scioli nem do conservador Mauricio Macri, que disputam a presidência da Argentina: “Os dois candidatos falam de aumentar a produção e de favorecer ‘novas tecnologias produtivas’. Ninguém tem feito uma crítica sobre as conseqüências à saúde ou ao meio ambiente que esse modelo produtivo pode trazer”.

A grama do vizinho

Se a grama do vizinho Brasil é mais verde também é por conta dos agrotóxicos, e de muitos agrotóxicos. De acordo com a professora Larissa Mies Bombardi, do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo, o glifosato é o agrotóxico mais aplicado no Brasil. “Ele é utilizado em jardins públicos em muitas cidades brasileiras para conter o mato”, conta.

Para a professora, o estudo argentino não surpreende quem está por dentro do assunto, mas chama atenção para o perigo que representam os pesticidas. Afinal, eles podem estar mais presentes no nosso dia-a-dia do que se pode imaginar. O algodão, por exemplo, é o quarto cultivo que mais consome agrotóxicos no país. “Quando você fala em algodão, isso não parece estar tão próximo do cotidiano, mas está”, aponta Bombardi.

A lei brasileira de agrotóxicos, de 1989, afirma que se a comunidade científica tem informações de que o ingrediente ativo causa danos à saúde, ele deve ser reavaliado. Apesar da massa de informação fornecida pelos pesquisadores e pelos organismos internacionais, avaliações desse tipo são, ainda hoje, muito lentas. Para Larissa Bombardi, no caso brasileiro, em grande parte, pelo “peso que o agronegócio tem na economia brasileira”.

 


Sobre o mesmo assunto

  • Saúde

    Estudo comprova que agrotóxicos causam má formação genital na Paraíba

    Saiba mais

  • França/ manifestação

    Milhares de pessoas protestam contra fabricante Monsanto

    Saiba mais

  • Meio Ambiente

    Brasil deve apoiar maior controle sobre dois produtos tóxicos

    Saiba mais

  • França/Transgênicos

    Milho transgênico da Monsanto pode ser proibido na Europa

    Saiba mais

  • França/ Justiça

    Monsanto é condenada por intoxicação de agricultor francês

    Saiba mais

  1. 1
  2. 2
  3. 3
  4. ...
  5. seguinte >
  6. último >
Programas
 
O tempo de conexão expirou.