Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 14/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Casa Branca agiliza plano para fechar prisão de Guantánamo

media Exterior da prisão de Guantánamo. REUTERS/Bob Strong

A Casa Branca está em processo de finalização de um plano para fechar a prisão militar de Guantánamo, em Cuba, onde os Estados Unidos detêm, muitas vezes sem julgamento, suspeitos de terrorismo, segundo informou nesta quarta-feira (22) o porta-voz da Presidência, Josh Earnest.
 

"O governo está, na verdade, nas etapas finais de preparar um plano para, de maneira segura e responsável, fechar a prisão na baía de Guantánamo e apresentar (o texto) ao Congresso", afirmou o porta-voz. "Isso é algo em que nossas autoridades de Segurança nacional têm trabalhado por algum tempo, principalmente, porque é uma prioridade para o presidente", frisou.

Promessa de Obama

Obama prometeu fechar Guantánamo logo no início de seu primeiro mandato, em janeiro de 2009. Ainda há 116 detentos na instalação, aberta há mais de 14 anos para receber, principalmente, os suspeitos de envolvimento com os atentados do 11 de Setembro.

Uma vez concluído, o plano deverá ser enviado ao Congresso. A agora maioria republicana nas duas Casas é fortemente contrária ao fechamento do campo de prisioneiros. Os adversários de Obama buscaram, sobretudo, estabelecer obstáculos legais para impedir a transferência de presos para os Estados Unidos, ou para o exterior.

Essas tentativas não bloquearam totalmente, porém, o processo de soltura. Pelo menos 28 detentos deixaram Guantánamo, em 2014, rumo a países tão diversos quanto Cazaquistão, Uruguai, Geórgia e Eslováquia. "Avançamos muito. Passamos de 127 (presos) para 116", avaliou o porta-voz da Casa Branca. "Continuar mantendo essa prisão não representa um uso eficaz dos impostos."
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.