Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 20/11 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 20/11 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 20/11 14h00 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 20/11 08h30 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/11 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 19/11 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 19/11 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 17/11 08h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Tabaré Vázquez volta à presidência no Uruguai

media Tabaré Vázquez comemora a vitória em Montevidéu. REUTERS/Andres Stapff

Primeiro presidente de esquerda no Uruguai em 2005, Tabaré Vázquez venceu o segundo turno das eleições presidenciais realizadas neste domingo (30), derrotando o rival de centro-direita Luis Lacalle Pou. Vázquez volta à presidência por mais cinco anos a partir do próximo 1° de março. O atual presidente José Mujica vai assumir como senador.

Márcio Resende, correspondente em Buenos Aires

O médico oncologista de 74 anos foi outra vez eleito para um novo período até 2020. Tabaré Vázquez vai suceder ao atual presidente, José Mujica, de quem foi antecessor. Num país sem reeleição, essa dobradinha significa que a esquerda da Frente Ampla vai chegar a, pelo menos, 15 anos no poder.

Na madrugada desta segunda-feira, a Corte Eleitoral terminou a apuração dos votos. Tabaré Vázquez ganhou com 53,6%. O opositor de centro-direita do conservador Partido Nacional, Luis Lacalle Pou, ficou com 41,1%. Uma diferença de 12,5 pontos. No Uruguai, a contagem exclui os votos brancos ou nulos.

Apesar de contar com maioria parlamentar, o próximo presidente sabe que os votos na oposição e os de protesto somaram quase metade dos eleitores. Por isso, no seu primeiro discurso como presidente eleito perante milhares de militantes na Avenida 18 de Julho, no centro de Montevidéu, Tabaré Vázquez convocou todos os uruguaios ao diálogo e à união.

"Não há que pensar tanto nas próximas eleições; há que pensar mais nas próximas gerações", indicou. "Não posso, não devo nem quero trabalhar sozinho. Quero contar com todos os uruguaios. Não para que me sigam, mas para que me guiem e que me acompanhem", pediu.

Durante o seu primeiro governo, Tabaré Vázquez aplicou duras medidas antitabaco e vetou a descriminalização do aborto, mas agora terá de lidar com uma inédita regulação do mercado da maconha e com a legalização da interrupção da gravidez.

Nos últimos 10 anos, o Uruguai cresceu uma média de 6% ao ano, mas a inflação de quase 9% e o déficit fiscal impõem medidas de ajuste na economia.

Vázquez também terá o desafio de suceder ao enorme carisma internacional de José Mujica, que fez de si o exemplo de austeridade, de anticonsumismo, de generosidade política e vanguarda social. Com 79 anos, Mujica, aliás, assume como senador e promete nunca mais voltar à presidência. Mas essa promessa também tinha sido feita por Tabaré Vázquez em 2011.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.