Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 26/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 26/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 26/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 26/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 26/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 26/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 25/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 25/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Justiça do Canadá começa a julgar “esquartejador de Montreal”

media Luka Rocco Magnotta, algemado, durante o desembarque no Canadá, em 2012. REUTERS

Após dois anos de espera, a justiça canadense abriu nesta segunda-feira (29) o processo de Luka Rocco Magnotta. O rapaz de 32 anos, que ficou conhecido como o “esquartejador de Montreal”, é acusado de ter assassinado seu namorado e enviado pedaços do corpo para partidos políticos locais, antes de fugir para a Europa.

A história de Magnotta monopolizou a imprensa internacional em maio de 2012, quando o suspeito fugiu para Paris, suscitando um verdadeira caçada no Velho Continente. Ele foi detido na Alemanha, em um cyber café de Berlim.

O canadense é acusado de ter assassinado seu namorado Lin Jun com um picador de gelo, antes de esquartejar o corpo do rapaz. O crime foi filmado e as imagens divulgadas na internet. O réu também enviou pedaços do cadáver pelo correio para representantes políticos do país.

Logo no início da audiência Magnotta reconheceu ter sido responsável pelo crime. Mas suas defesa pretende alegar a insanidade como argumento para diminuir sua pena.

Depois de convocar 1.600 pessoas, a justiça escolheu os seis jurados que acompanham o caso. A principal dificuldade do tribunal foi encontrar pessoas que não tivessem seguido o episódio na imprensa para tentar preservar a imparcialidade do processo, que monopolizou a mídia local na época.

Cerca de 60 testemunhas devem depor durante o julgamento, que vai durar entre seis e oito semanas. O palácio de justiça de Montreal abriu várias salas onde as audiências são transmitidas ao vivo.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.