Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/10 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

TSE de Honduras declara vitória de Hernández como “irreversível”

media Juan Orlando Hernández, advogado, festeja vitória nas eleições presidenciais de Honduras. REUTERS/Jorge Cabrera

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de Honduras declarou na noite desta segunda-feira que a vitória do candidato conservador às eleições presidenciais Juan Orlando Hernandez é “irreversível”. Apesar do anúncio, as tensões no pequeno país da América Central continuam devido às denúncias de fraudes feitas pela candidata de esquerda Xiomara Castro que também se auto-declarou vitoriosa nas urnas.

"O resultado é incontestável. Os números que nós informamos refletem uma tendência que é irreversível. Os resultados não vão variar”, afirmou o presidente do Tribunal David Matmoros, sem, no entanto, proclamar um vencedor.

A declaração foi feita após a apuração de 67% das urnas. Os resultados apontavam Juan Orlando Hernández com 34,08% dos votos contra 28,92% de sua adversária de esquerda.

No dia anterior, o candidato do Partido Nacional e sua rival, Xiomara Castro, deixaram o país em suspense ao anunciar suas vitórias respectivas.

O partido de esquerda acusou o TSE de “manipulação” para favorecer Hernández. “Não aceitamos os resultados”, disse Manuel Zelaya, marido de Xiomara Castro, durante uma entrevista coletiva realizada na frente de centenas de militantes do partido Liberdade e Refundação.

Apesar de que ainda o Tribunal Eleitoral não o tenha proclamado vencedor, Juan Orlando Hernández, de 45 anos, nomeou nesta segunda-feira uma comissão para trabalhar na passagem de poder, prevista para janeiro.

Muitos países já reconheceram a vitória de Hernández, como Colômbia, Guatemala, Panamá, Costa Rica e Nicarágua. Washington destacou que as eleições presidenciais em Honduras foram “de um modo geral transparente”.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.