Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 12/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 12/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 12/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 12/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 11/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 11/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Chile vai às urnas para reformar o modelo de Pinochet

media Candidata Camila Vallejo, de 25 anos, concorre pelo Partido Comunista, que apoia Michelle Bachelet (dir.) RFI/ Márcio Rezende

Duas grandes dúvidas se sobressaem nas eleições presidenciais no Chile, que acontecem neste domingo: se Michelle Bachelet será eleita no primeiro turno e se, uma vez eleita, poderá aplicar as reformas que prometem fazer do Chile um país menos neoliberal. A popular e carismática ex-presidente se dirige para a vitória, conforme apontam as pesquisas eleitorais.

Márcio Resende, em Santiago (Chile)

Juan Cristóbal Cantuarias tem 18 anos, está no primeiro ano da faculdade de Direito na Universidade do Chile e milita no movimento "Esquerda Cidadã". Nestas eleições, decidiu apoiar Michelle Bachelet, candidata a um segundo mandato presidencial. Mas apoiar Bachelet vai na contra-mão da tendência entre os universitários chilenos que desconfiam da candidata e da sua coalizão que durante 20 anos governou o Chile, entre 1990 e 2010, sem alterar o modelo neoliberal, herdado do ditador Augusto Pinochet.

Juan explica à RFI, em Santiago, que o apoio não é carta branca para Bachelet fazer o que quiser. A prometida reforma educativa tem de ser como os estudantes querem.

"Nós não estamos dando um cheque em branco a Bachelet. Vamos trabalhar para que a reforma educacional seja aplicada como o movimento estudantil expressou nas ruas”, disse.

Juan confessa sentir um pouco de vergonha entre os estudantes ao dizer que apóia Bachelet, mas entende que o país vai viver grandes mudanças e que é melhor pressionar por dentro do sistema. "2014 será um ano de transformações. O Chile está mudando", acredita.

Já Camilo Ortega, de 23 anos, recém-formado em Economia pela mesma Universidade do Chile, não crê em Bachelet. Diz que a candidata está rodeada pelos mesmos empresários que sempre lucraram com a educação, a saúde e com as aposentadorias. No Chile, a saúde e a previdência também são administradas por empresas privadas.

"Não tenho por que acreditar em Bachelet. Ela diz que mudou e que agora as reformas vão acontecer, mas continua rodeada pelos mesmos que sempre lucraram", desconfia.

Camilo é a exceção que mantém vivo um sistema perverso de educação. Ganhou uma bolsa por excelência acadêmica que lhe permitiu estudar num colégio privado. Depois foi o único do seu colégio a conseguir entrar para a Universidade do Chile, a mais disputada de todas junto à Universidade Católica.

"Tive muita sorte. Creio que um direito como a educação, como a saúde ou como a moradia não pode estar sujeito à sorte", conclui.

Como no Chile não existem universidades gratuitas, Camilo deverá pagar 200 dólares por mês pelos próximos 20 anos pelo crédito que conseguiu com um banco para estudar numa universidade estatal. O crédito tem o aval do Estado. As massivas manifestações estudantis de 2011 só conseguiram que os juros baixassem de 5,8% a 2% ao ano.

"Devo tanto dinheiro que prefiro não me preocupar. É dinheiro perdido. Quando eu tiver 30 ou 40 anos, será dinheiro que não estará em casa para a família e para os filhos", projeta.

No Chile, só entra para as universidades estatais, consideradas as melhores, quem passar numa prova como o vestibular. Quem mais chances tem de ser aprovado são os alunos que estudaram em colégios particulares. E quem se formar nessas universidades terá melhores salários para o resto da vida.

Reformas à vista

Esse é o círculo vicioso da desigualdade social chilena. O modelo neoliberal no qual cidadãos são tratados como clientes e os direitos básicos são tratados como bens de consumo está no centro do debate político de oito dos nove candidatos à Presidência. O Chile também renova a totalidade da Câmara de Deputados e parcialmente o Senado.

Um lado inédito são as sete candidaturas a deputados de ex-líderes do movimento estudantil. A mais famosa é Camila Vallejo, de 25 anos, candidata pelo Partido Comunista que apoia Bachelet. Camila é o ícone das marchas estudantis e perseguida como uma rockstar pelos eleitores jovens. Esta candidata admite à RFI que, assim como os estudantes, desconfia se Bachelet vai mesmo fazer as reformas. E indica que as manifestações nas estudantis serão um elemento de pressão ao novo governo.

"A desconfiança dos estudantes e a minha é legítima. Temos de garantir que as reformas sejam cumpridas tanto do Parlamento quanto das ruas. Não perder de vista a luta social", indica.

A favorita para ganhar amanhã é Michelle Bachelet, que promete reformar tudo. Os discursos dela são como uma metralhadora de reformas: educativa, tributária, no sistema eleitoral e até reforma na Constituição.

A educação seria 70% gratuita em quatro anos e 100% em seis anos. Para isso, será necessária uma reforma tributária que eleve os impostos sobre as empresas em um ponto percentual por ano, dos atuais 20 a 25%. O objetivo é arrecadar o equivalente a 2% do PIB hoje, em 270 bilhões de dólares.

Mas a mais ousada reforma é a constitucional. O Chile é um país unitário e passaria a ser mais federal, dando autonomia às regiões. A reforma na Constituição também alteraria o sistema de representação política que impede a inclusão de minorias.

A Constituição de 1980 foi criada por Pinochet para assegurar o modelo neoliberal autoritário. O sistema eleitoral chileno é binominal e reparte o poder entre as duas grandes forças do país. Ao mesmo tempo, impõe a necessidade de maiorias absolutas para qualquer alteração. Isso garante à direita uma espécie de poder de veto por mais que perca as eleições, como agora.

A Nova Maioria de centro-esquerda, com Michelle Bachelet, deve conseguir maioria e a Aliança de centro-direita, com Evelyn Matthei, pode ficar com um mínimo histórico. Mesmo assim, Bachelet dificilmente conseguirá maioria absoluta para passar as reformas. Este é o nó do sistema chileno, amarrado por Pinochet.

Idosos e classe média

O apoio popular a Bachelet vem de dois grandes segmentos: dos idosos e da classe baixa. Quando governou entre 2006 e 2010, ela criou uma pensão básica e solidária aos idosos sem aposentadoria. Também entregou dinheiro através de bônus aos mais pobres. E no país mais machista da região, onde a Lei do divórcio só chegou em 2004, Bachelet procurou beneficiar as mulheres.

Por isso, a ex-presidente garante o apoio de pessoas como Luisa Mutis, de 71 anos. "Seria muito estranho se eu não votasse por uma mulher que fez muitas coisas por nós mulheres". Ou como a doméstica Uberlinda Horta, de 51 anos: "Ela foi muito boa com a gente humilde".

O Chile é um dos países mais desiguais do mundo. Desde 1990, quando o país recuperou a democracia, a pobreza caiu de 40 a 15% da população. O país cresce a uma média de 5 a 6% por ano, com uma inflação baixa, em torno de 2%, e com desemprego de apenas 5,7%. Mas a distribuição de renda é péssima. Os 10% mais ricos ficam com quase 40% da renda nacional e os 10% mais pobres com apenas 1%.

Existe um Chile como modelo econômico para o exterior e outro cruel para os chilenos. E foi essa ferida que o movimento estudantil expôs, fazendo a popularidade do atual presidente Sebastián Piñera rondar os 30%.

A economista Marta Lagos, diretora da Latinobarômetro, que mede a percepção social na América Latina, explica que o Chile demonstra que o crescimento econômico não é suficiente para que as pessoas fiquem satisfeitas. "Não se pede bens econômicos. Este é o fracasso deste governo: apostou que o crescimento econômico solucionaria tudo. O Chile é uma evidência de que o crescimento não é suficiente para consolidar a democracia", avalia.

A última pesquisa de opinião é de duas semanas atrás. Bachelet tinha 47% das intenções de voto enquanto Matthei, apenas 14%. A dúvida é apenas se Bachelet ganha no primeiro turno amanhã. E essa dúvida só existe porque esta é a primeira eleição presidencial com o voto não mais obrigatório e ninguém sabe ao certo quantos chilenos vão votar.

Ouça a reportagem completa:

Chile vai às urnas para reformar o modelo de Pinochet 16/11/2013 Ouvir

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.