Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 24/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 24/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 24/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 24/08 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 24/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 24/08 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/08 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Equador diz estar aberto ao diálogo com Londres sobre caso Assange

media Julian Assange, fundador do Wikileaks, na sacada da embaixada do Equador em Londres, neste domingo. REUTERS/Chris Helgren

O presidente equatoriano, Rafael Correa, declarou na última noite estar pronto para negociar com Grã-Bretanha e Suécia uma solução para o caso Julian Assange. O fundador do site Wikileaks, refugiado na embaixada do Equador em Londres, teve o seu pedido de asilo político concedido pelo governo equatoriano na última semana.

"Estamos sempre abertos ao diálogo com os governos birtânico e sueco", afirmou o presidente Rafael Correa durante entrevista difundida pelo canal de televisão pública ECTV. Segundo ele, foi a posição intransigente de Londres e Estocolmo que provocou essa crise. Rafael Correa estima que os dois países nunca deram garantias suficientes a Assange de que ele não seria extraditado aos Estados Unidos, onde pode ser condenado inclusive à pena de morte por ter divulgado documentos secretos da diplomacia americana.

Rafael Correa aguarda um resposta da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre o caso. A OEA vai se reunir em caráter de emergência para analisar o asilo político concedido a Julian Assange pelo Equador.

Uma funcionária do ministério da Justiça da Suécia disse em entrevista à imprensa alemã que seu país nunca extraditará Assange aos Estados Unidos se existir qualquer ameaça do australiano ser condenado à pena de morte. A vice-diretora de assuntos penais e cooperação internacional do ministério sueco, Cecilia Riddselius, afirmou ainda ao jornal Frankfurter Rundschau que até o momento a justiça americana não solicitou formalmente a extradição do fundador do Wikileaks.

Julian Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres desde o dia 19 de junho para escapar da extradição para a Suécia, onde é acusado de agressão sexual por duas mulheres. O governo equatorinao concedeu asilo político ao fundador do Wikileaks na semana passada transformando o caso em uma verdadeira batalha diplomática.

Hackers atacam sites do governo britânico em defesa de Assange

O grupo de piratas Anonymous reivindicou hoje vários ataques a sites oficiais britânicos, em represália à gestão do caso Assange pelo governo. O slogan da operação era "Libertem Assange".

O Ministério da Justiça confirmou "interrupções" nos serviços prestados pelos sites, mas disse que a situação estava sob controle.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.