Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 20/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 20/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 19/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 19/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Américas

Incêndio já destruiu mais 8 mil hectares de florestas na Patagônia

media Cerca de 400 pessoas tentam conter o fogo na Patagônia. REUTERS/Stringer

As autoridades chilenas informaram que cerca de 8500 hectares de floresta já foram destruídos pelos incêndios que tomaram conta do parque Torres del Paine, na Patagônia, nos últimos dias. Pelo menos 400 pessoas tentam lutar contra as chamas.

O incêndio, que atinge o parque natural no sul do Chile desde terça-feira, preocupa cada vez mais as autoridades do país. Segundo o presidente chileno, Sebastian Piñera, “a situação é complexa”. Cerca de 400 bombeiros, militares e guardas florestais nacionais, mas também vindos da vizinha Argentina, participam das operações para tentar conter o fogo.

A configuração do parque torna o combate contra as chamas ainda mais difícil. “O cenário é extremo, principalmente por causa da topografia, dos ventos violentos e do tipo de vegetação, altamente inflamável”, explicou Vicente Nuñez, diretor do Escritório chileno de Urgências. A zona do incêndio é situada em uma área rochosa entre montanhas cobertas de neve a 3.000 metros de altitude.

Os 8500 hectares destruídos pelo fogo representam entre 3% e 4% da superfície do parque, que tem 230 mil hectares. A atração, a 3.000 km de distância da capital Santiago, é um dos orgulhos chilenos, visitada por cerca de 100 mil pessoas anualmente. O local, considerado desde 1978 uma reserva da biosfera pela Unesco, deve ser fechado ao público durante todo o mês de janeiro.

As autoridades do país já são alvo de críticas sobre a demora para tentar impedir a propagação do fogo. “Gostaríamos de ter visto o governo tão eficaz ao jogar água nas chamas que consomem nosso patrimônio quanto ao jogar água nos cidadãos que defendem seus direitos”, disse Luis Mariano Rendon, coordenador da ONG Accion ecologica, em alusão à repressão chilena contra as manifestações de estudantes este ano nas ruas do país.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.