Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/06 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 17/06 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 17/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
Geral

Soldado americano que ajudou WikiLeaks começa a ser julgado

media Manifestantes pacifistas se organizam para defender o soldado Bradley Manning. Reuters/Olivia Harris

O soldado Bradley Manning, acusado de ter ajudado o site WikiLeaks a obter informações secretas sobre o exército norte-americano, compareceu pela primeira vez diante da justiça nesta sexta-feira, 16 de dezembro. Se for condenado, o ex-militar pode passar o resto de seus dias na cadeia.

Após 18 meses de prisão, o jovem soldado de 24 anos compareceu para a primeira audiência em Fort Meade, na região de Washington. O ex-analista das forças armadas é acusado de ter transmitido ao site Wikileaks, entre 2009 e 2010, documentos militares secretos sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão, além de 260 mil despachos diplomáticos do departamento de Estado dos Estados Unidos.

Bradley Manning considerava que as informações eram de interesse público e que sua publicação poderia suscitar “debates e mudanças no mundo todo”. Se for condenado, ele pode pegar prisão perpétua.

Essa fase do processo, que deve durar cinco dias, é apenas uma audiência preliminar, que ainda não deve determinar se o soldado é culpado ou inocento. A Corte irá apenas apresentar as acusações feitas contra o ex-militar. Em seguida, a justiça deve decidir se uma Corte Marcial continuará o julgamento.

O processo final não deve ser realizado antes de abril de 2012, mas vários militantes pacifistas já começaram a organizar protestos diante do tribunal.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.