Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Moçambique recebe papa Francisco em início de giro pela África

media Papa Francisco é recebido pelo presidente moçambicano Filipe Nyusi na chegada à capital Maputo, 04/09/2019 REUTERS/Mike Hutchings

O papa Francisco iniciou nesta quarta-feira (4) uma viagem por três países da África e do Oceano Índico afetados pela pobreza, conflitos e desastres naturais. O pontífice foi recebido nesta tarde por milhares de pessoas em Maputo, capital do Moçambique, primeira etapa de sua turnê.

A cidade passou vários dias se preparando para receber o “Papa dos pobres”. A última visita de um Santo Padre na região aconteceu há 31 anos, quando João Paulo II era o Papa.

Francisco foi recebido pelo presidente moçambicano Filipe Nyusi às 18h30 locais (13H30 de Brasília).

No país lusófono, o Papa insistirá na mensagem de "paz, preservação do planeta e na importância de renunciar às armas", afirmou o número dois do Vaticano, cardeal italiano Pietro Parolin.

Francisco gravou vídeo antes de decolar

Em uma mensagem de vídeo gravada antes da viagem, Francisco destacou a necessidade de "reconciliação fraternal em Moçambique e na África, a única esperança para uma paz sólida e duradoura".

O pontífice também deve abordar em Moçambique a questão do frágil acordo de paz no país, a devastação provocada por dois ciclones este ano e as próximas eleições gerais.

A visita de três dias ao país, acontece depois do governo moçambicano assinar um tratado de paz histórico com o ex-grupo rebelde Renamo, que se transformou no principal partido de oposição, apesar de nunca ter adotado um desarmamento completo após a guerra civil de 16 anos na ex-colônia portuguesa.

Outro tema que poderá ser abordado pelo Papa é o extremismo no Norte país, onde os atentados mataram mais de 300 pessoas em dois anos.

A partir de sexta-feira (6), Francisco visitará a ilha de Madagascar, no Oceano Índico, e em seguida as Ilhas Maurício. A opção de viajar por alguns dos países mais pobres do mundo é considerada um ato de solidariedade para um religioso que era muito presente nas favelas da Argentina.

Cidade mais afetada por ciclone Idai não terá visita do Papa

Durante a estadia em Moçambique, o pontífice visitará apenas Maputo, para decepção dos moradores de Beira (centro do país), onde o ciclone Idai matou pelo menos 600 pessoas e deixou centenas de milhares desabrigadas em março.

Em sua mensagem de vídeo, o papa falou sobre a decepção. "Embora não possa ir além da capital, meu coração se une a vocês e abraça a todos, em especial os que vivem na dificuldade", disse.

Por ocasião da visita do pontífice a este país de maioria cristã, o governo reservou, apesar da crise, € 300 mil para os preparativos, informou o ministro das Relações Exteriores, José Pacheco. A verba foi usada para reparos na catedral de Maputo e das ruas da capital.

A viagem de Francisco ao país terminará com uma missa na sexta-feira no grande estádio Zimpeto, de Maputo.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.