Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 21/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 20/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 20/09 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Moçambique: ciclone atinge centro para crianças deficientes visuais

media Rastro de destruição deixado pelo ciclone Idai, no centro de Moçambique. Reuters

O Centro de Deficientes Visuais de Moçambique, em Beira, não escapou à fúria do ciclone Idai. Desde o dia 14 de março, dezenas de crianças estão dormindo no chão, mas o pior é a falta de alimentos e a ameaça da propagação da epidemia da cólera.

Cristiana Soares, enviada especial da RFI a Moçambique

Face ao cenário de destruição deixado pelo ciclone Idai nas instalações do centro do Deficientes Visuais de Moçambique, o padre Nicolas diz que não saber por onde começar.

Segundo ele, o tanque de água foi levado pelo ciclone, além do teto e dos vidros. “Não temos energia, tubos de gás foram destruídos. Não sabemos onde começar e onde parar”, disse o padre Nicolas dos Sagrados Corações, responsável pela instituição.

Desde que o local foi destruído pelo ciclone, 70 crianças estão dormindo no chão e sofrem com a falta de alimentos e a ameaça de epidemias. Além, disso, conta o padre, as lojas foram vandalizadas. Ele também tem receio em comprar legumes contaminados pelo cólera.

Sem informações da família

A água potável também é escassa. “Água é muito urgente, para o banho ou para a cozinha”, explicou. Os menores pedem informações sobre as famílias, muitas atingidas pelo ciclone.

“Dá tristeza, estou buscando informações sobre situação das famílias. Já me pediram: queremos falar com a mamãe”, recorda, emocionado, Nicolas. O centro de Deficientes Visuais de Moçambique acolhe crianças com idades desde os seis até aos 17 anos e depende de ajuda externa.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.