Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 23/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 23/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 23/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 23/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 23/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 23/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Adiamento das eleições presidenciais gera incertezas na Argélia

media A imprensa francesa desta terça-feira analisa a renúncia do presidente argelino de se candidatar a um 5° mandato e o adiamento das eleições na Argélia. Fotomontagem RFI

A imprensa francesa desta terça-feira (12) analisa a renúncia do presidente argelino de se candidatar a um 5° mandato e o adiamento das eleições na Argélia. Apesar de ser considerada uma vitória dos manifestantes que se opunham à candidatura, a decisão mergulha o país em um período de incertezas.

“E agora?” pergunta a manchete do Le Parisien. O anúncio da renúncia de Abdelaziz Bouteflika a uma nova candidatura para as eleições presidenciais no país, inicialmente previstas para 18 de abril, surpreendeu na segunda-feira (11) e provocou cenas de euforia e festa na capital, Argel.

O presidente argelino, doente e debilitado, anunciou sua decisão após retornar ao país de uma viagem à Suíça para tratamento médico. Bouteflika, no poder há vinte anos, se inclina e aceita a reivindicação do povo argelino. Há três semanas, manifestações históricas nas ruas do país protestavam contra um 5° mandato.

Mas, a vitória é parcial. A decisão de adiar as eleições por tempo indeterminado prolonga, na prática, o atual mandato do presidente. “Começa agora um período de transição que o clã Bouteflika pretende controlar do início ao fim”, acredita o diário. O governo também indicou ontem que uma nova Constituição será elaborada e votada em referendo, como reivindicava a população. Um novo governo foi nomeado. “O longo caminho da Argélia rumo à democracia apenas começou”, diz o editorial do Le Parisien.

“Presidente fantasma”

“A Argélia vira a página Bouteflika”, destaca Le Figaro. O clã do presidente tentava se manter a qualquer custo no poder, mas teve que ceder "diante da evidência de que a 5ª candidatura de um chefe de Estado fantasma, que mal aparece em público, se tornou uma indecência". Com os protestos que aumentavam a cada dia, “o sistema se fissurou e o medo mudou de campo”, aponta o jornal conservador. Para não ser completamente varrido do mapa, Bouteflika “jogou a toalha”.

Le Figaro também se pergunta se os anúncios democráticos serão suficientes para superar a crise. Otimista, o editorial diz que a Argélia espera uma transição pacífica, apesar dos riscos de que o atual clã faça de tudo para permanecer no poder ou que os islamitas radicais influenciem o processo.

Guerra civil

Esta é apenas a primeira vitória da mobilização exemplar e pacífica, mas ela é uma vitória frágil, ressalta também Libération. “Se o presidente Bouteflika cumprir sua promessa e entregar o poder ao sucessor que o povo eleger, ele entrará para a história como um promotor da liberdade, como o russo Gorbatchev”, no fim da União Soviética, acredita o jornal progressista. Se fizer isso, a Argélia, o maior país do norte africano, viverá com sucesso sua Primavera Árabe.

Mas a lembrança dolorosa da guerra civil após as eleições livres de 1991, que elegeram os islamitas e provocaram uma intervenção militar no país, incita a Argélia à precaução e à sabedoria. “A única garantia de uma transição realmente democrática é que a mobilização pacífica nas ruas não pare para forçar o governo a cumprir sua promessa”, aponta Libération.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.