Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 15/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 15/06 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 15/06 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/06 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 15/06 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 15/06 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/06 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/06 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Médicos se recusam a realizar “testes de virgindade” no Marrocos

media Marrocos: médicos se recusam a praticar teste de virgindade. Foto tirada em 4 de fevereiro de 2018 em frente ao hospital Hassani, na cidade marroquina de Nador. STRINGER / AFP

Mesmo sem nenhum valor legal, este tipo de prática ainda acontece não apenas nos países do Norte da África, como o Marrocos, mas também no Brasil, na Índia, na Indonésia, na África subsaariana, na Irlanda do Norte e até na Grã-Bretanha. Mas muitos médicos marroquinos se recusam agora a emitir o "certificado de virgindade", exigido por algumas famílias antes do casamento. Eles consideram humilhante para as jovens, e ineficaz, além de uma fonte de problemas de saúde e de traumas.

Segundo o jornal Assabah, médicos marroquinos que atuam nos setores público e privado agora se recusam a fornecer o certificado de virgindade exigido por algumas famílias do futuro marido, ou por ele próprio. Os profissionais de saúde citam três razões para sua recusa em praticar o “teste da virgindade”: falta de respeito pelas mulheres, a completa inutilidade do procedimento, que acaba se tornando uma fonte de problemas físicos e psicológicos. Além disso, legalmente o certificado de virgindade não tem valor no Marrocos.

Segundo o site de France Info, em outubro de 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Conselho de Direitos Humanos e a ONU Mulheres condenaram por unanimidade, em um comunicado conjunto, o teste de virgindade. É "uma violação dos direitos humanos de meninas e mulheres e pode ser prejudicial ao seu bem-estar físico, psicológico e social. O exame pode ser doloroso, humilhante e traumático. Como esses procedimentos são desnecessários e potencialmente prejudiciais, é antiético para os médicos ou outros profissionais de saúde realizar tais práticas, que nunca devem ser executadas", disseram os organismos internacionais.

Os dois métodos mais comuns para "testar a virgindade" são a inspeção do hímen ou a inserção de dois dedos. Cada um desses métodos é baseado em um equívoco, que não encontra subsídios científicos: o preceito que diz que a aparência do sistema reprodutivo feminino é um indicador de sua atividade sexual, ou não. Além disso, os profissionais de saúde consideram que, com a banalização da operação de reconstrução do hímen (himenoplastia), os testes não constituem uma prova da virgindade de mulheres jovens.

No entanto, em agosto de 2018, quando o governo acabava de anunciar a reintegração do serviço militar obrigatório para homens e mulheres, houve vários rumores de um teste de virgindade que seria exigido pelo Exército para todas as mulheres convocadas. O governo teve que intervir para negar categoricamente essa fake news.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.