Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 18/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 18/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 18/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 18/09 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 18/09 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 18/09 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 16/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 16/09 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Pai de última refém do Boko Haram prefere que filha continue presa a vê-la convertida ao Islã

media Leah Sharibu é a única jovem sequestrada em Dapchi que permanece nas mãos do grupo Boko Haram na Nigéria. http://soundplus.com.ng

A jovem Leah Sharibu é única refém, entre a mais de 100 meninas sequestradas no início do ano em Dapchi, na Nigéria, a continuar nas mãos do Boko Haram. Ela teria sido mantida pelo grupo terrorista por não ter se convertido ao Islã. Em entrevista exclusiva à RFI, o pai da estudante, que é cristão, concordou com a atitude da filha e disse que prefere que ela continue presa a vê-la convertida ao Islã

Leah, 15 anos, foi sequestrada em uma escola da Nigéria em 19 de fevereiro junto com uma centena de meninas com idades entre 11 e 19 anos. Desde então, todas as colegas de cativeiro foram libertadas, mas ela permanece detida.

Segundo as demais adolescentes devolvidas às suas famílias, a jovem, que é cristã, foi mantida por ter se recusado a se converter ao Islã. Essa seria uma das exigências feitas pelos membros do Boko Haram, grupo cujo nome significa “educação ocidental é um pecado”.

Em entrevista exclusiva à RFI, o pai de Leah, Nathan Sharibu, confirma que a filha continua detida por ter se negado à conversão religiosa. “É por isso que eles a mantém em cativeiro. Eu também não concordo com a conversão ao Islã, e se for assim, prefiro que ela continue lá. Eu aprecio que ela se comporte assim, pois foi dessa forma que eu a eduquei”.

Uma suposta prova de vida da refém foi divulgada no início desta semana, por meio de um áudio. Na gravação, enviada à imprensa local, a jovem pede a ajuda do presidente nigeriano, Muhammadu Buhari. O governo ainda está verificando a autenticidade do arquivo.

“Ela pediu que o governo faça o possível para libertá-la. Nós também suplicamos para isso”, diz seu pai. “Eu choro. Toda a família chora”, continua, lembrando que não teve nenhum contato com a filha desde o sequestro em Dapchi, no estado nigeriano de Yobe.

O Boko Haram conduz desde 2009 no nordeste da Nigéria ataques que já mataram mais de 20 mil pessoas. Em 2014, a ação dos jihadistas, que são próximos do grupo Estado Islâmico, provocou uma onda de indignação global com o sequestro de 276 meninas em uma escola em Chibok.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.