Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 20/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 20/07 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Ex-presidente sul-africano Jacob Zuma será julgado por corrupção

media Jacob Zuma, em 14/02/18, quando anunciou que renunciava ao cargo de presidente. Phill Magakoe / AFP

O ex-presidente sul-africano Jacob Zuma será julgado por corrupção em um caso de contrato de armamento com indústrias estrangeiras nos anos 1990, anunciou nesta sexta-feira (16) a procuradoria do país.

"Há motivos razoáveis para pensar que as ações judiciais contra Zuma darão resultados", declarou o procurador-geral Shaun Abrahams em coletiva de imprensa em Pretória.

A justiça suspeita que Zuma cobrou propinas em um contrato de armamento de US$ 5,16 bilhões, assinado em 1999 pela África do Sul com várias empresas estrangeiras, entre elas a francesa Thales. Na ocasião, Zuma era vice-presidente do país.

O ex-presidente será julgado por fraude e corrupção. A procuradoria-geral disse que a filial local de Thales também será julgada ao mesmo tempo que o ex-presidente.

A empresa francesa não quis fazer comentários. Em 2005, o ex-conselheiro financeiro de Zuma, Schabir Shaik, foi condenado a 15 anos de prisão por obter propinas.

O presidente Thabo Mbeki aproveitou a ocasião para demitir seu adversário Zuma, acusado por corrupção. As ações judiciais foram anuladas por ausência de provas e Zuma obteve sua revanche política no final de 2007, tirando Mbeki da presidência do partido ANC.

Mas dez dias depois a justiça voltou a indiciá-lo. Depois, em 2008, o processo foi invalidado por questões técnicas. Após alguns meses, Zuma foi eleito presidente e o caso pareceu definitivamente enterrado.

Mas o principal partido opositor, a Aliança Democrática (DA), conseguiu pressionar os magistrados encarregados do caso graças a gravações telefônicas.

Em 2016, a justiça ordenou a retomada do caso contra Zuma.

Zuma, debilitado por vários escândalos de desvios de recursos públicos, anunciou em um discurso televisionado à nação que havia tomado a decisão de se renunciar ao cargo, embora estivesse em desacordo com a direção de seu partido.

O ex-sindicalista e empresário Cyril Ramaphosa assumiu o lugar de Zuma, de 75 anos, no poder desde 2009.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.