Ouvir Baixar Podcast
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 19/01 08h57 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 19/01 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 19/01 08h30 GMT
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 18/01 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 18/01 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 18/01 14h00 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 14/01 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 14/01 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Libéria escolhe seu novo presidente nesta terça-feira

media À esquerda, George Weah ao lado de Joseph Boakai. ©REUTERS/Thierry Gouegnon

Na Libéria, mais de dois milhões de eleitores devem comparecer às urnas nesta terça-feira (26) para decidir entre os dois candidatos vencedores do primeiro turno das eleições. O ex-futebolista George Weah enfrenta o vice-presidente Joseph Boakai. Na primeira rodada da disputa eleitoral, Weah venceu com 38% dos votos e Boakai teve 29%.

Esta é a terceira vez que George Weah, de 51 anos, disputa a presidência. O morador de favela que se tornou um jogador de futebol internacional na década de 1990, atacante do PSG e do AC Milan, foi o primeiro africano a vencer o prêmio Bola de Ouro em 1995.

Seus partidários afirmam que ele perdeu as votações de 2005 e 2011 por fraude eleitoral. Três anos atrás ele foi eleito senador de Monrovia. Com 78% dos votos, Weah humilhou seu rival, Robert Sirleaf, filho da atual presidente Ellen Johnson Sirleaf.

Carreira oposta

A trajetória de Joseph Boakai não pode ser mais diferente. Depois de estudar nos Estados Unidos, graças a uma bolsa de estudos, o atual vice-presidente do país se tornou Ministro da Agricultura, após ter sido consultor do Banco Mundial.

Boakai, de 73 anos, tem o hábito de fechar os olhos nas reuniões, dando a impressão de que está dormindo. Mas "Sleepy Joe", como seus oponentes o chamam, garante que o ato o ajuda a escutar com mais atenção.

Os dois homens, no entanto, têm uma coisa em comum: nenhum deles vem da antiga elite americana que fundou a Libéria no século XIX. O futuro presidente será apenas o segundo chefe de Estado das chamadas populações indígenas na história desta primeira República da África, depois de Samuel Doe.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.