Ouvir Baixar Podcast
  • 14h27 - 14h30 GMT
    Flash de notícias 16/12 14h27 GMT
  • 14h06 - 14h27 GMT
    Programa 16/12 14h06 GMT
  • 14h00 - 14h06 GMT
    Jornal 16/12 14h00 GMT
  • 08h57 - 09h00 GMT
    Flash de notícias 16/12 08h57 GMT
  • 08h33 - 08h57 GMT
    Programa 16/12 08h33 GMT
  • 08h30 - 08h33 GMT
    Jornal 16/12 08h30 GMT
  • 08h36 - 08h57 GMT
    Programa 15/12 08h36 GMT
  • 08h30 - 08h36 GMT
    Jornal 15/12 08h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Zimbábue: Vice de Mugabe deixa exílio para assumir como presidente interino

media Emmerson Mnangagwa é acusado de ter contribuido no massacre de 20 mil civis REUTERS/Philimon Bulawayo

Após o pedido de demissão do presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, nessa terça-feira (21), o porta-voz de seu partido Zanu-PF afirmou que o ex-vice-presidente do país, Emmerson Mnangagwa, será nomeado como interino pelo parlamento nesta quarta-feira (22). O juramento pode ocorrer dentro de 48 horas. Já a radio estatal do país, informou que a posse será nesta sexta-feira (24). Mnangagwa ocupará o cargo por 90 dias, caso novas eleições sejam convocadas.

O homem que tirou Robert Mugabe do poder deixou a África do Sul na manhã dessa quarta-feira em um jato privado. No exílio desde a sua demissão, ele havia assegurado na terça-feira de manhã que não voltaria ao Zimbábue, temendo por sua segurança.

Presidente do partido e candidato presidencial em 2018, Emmerson Mnangagwa tem como desafio provar que apesar de sua proximidade durante 50 anos com Robert Mugabe ele poderá propor mudanças para o país.

Entretanto, ele estaria atuando nos bastidores como presidente interino. Em uma declaração divulgada pela agência de notícias Reuters, ele afirmou na terça-feira (21) que estava interessado em reunir todos os zimbabuenses para a reconstrução do país.

Um implacável "crocodilo"

Com 75 anos, Emmerson Mnangagwa era um dos associados mais próximos de Robert Mugabe e fortemente ligado aos militares. Ele acabou sendo apelidado de "o crocodilo", por ser considerado rápido, discreto e implacável, como o animal.

Mas a sua história é marcada por atrocidades. Em meados da década de 1980, foi responsável pela segurança interna durante os massacres contra a etnia de Ndebele, reduto da oposição. De acordo com organizações de direitos humanos, 20 mil civis foram mortos.

O jornalista e autor zimbabuense Peter Godwin publicou em 2011 um livro intitulado "The Fear" (O medo), sobre a repressão no Zimbábue. Para ele, "Emmerson Mnangagwa é alguém horrível, que se banha no sangue. É ele quem implementou a política repressiva de Robert Mugabe. É bastante claro que ele é tão moralmente responsável pelo que aconteceu no Zimbábue como seu ex-chefe. Mas acho que o que ele tentará fazer agora é apresentar-se como um reformista", afirma o autor.

Em 2008, sua aliança com o presidente zimbabuense para a reeleição acelerou sua carreira. Emmerson Mnangagwa acabou se tornando vice-presidente de Mugabe e presumido herdeiro. Mas a sua nomeação é questionada por causa das ambições políticas da primeira-dama, Grace Mugabe, que levaram à queda do antigo presidente. Tudo foi apressado após 6 de novembro, quando Robert Mugabe demitiu Mnangagwa.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.