Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/08 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/08 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 16/08 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 16/08 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 16/08 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 16/08 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 13/08 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 13/08 09h30 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Sem surpresas, Kagame vence eleições em Ruanda

media Kagame, da Frente Patriótica Ruandense (FPR): vitória previsível, com oposição nanica. REUTERS/Jean Bizimana

O presidente de Ruanda, Paul Kagame, foi reeleito para um terceiro mandato após obter cerca de 98% dos votos, segundo os resultados parciais divulgados pela comissão eleitoral.

Com 80% das cédulas apuradas, Kagame, que comanda o país desde o genocídio de 1994, soma 5,4 milhões de votos, muito além da metade mais um necessários para a reeleição.

A comissão estima que 97% dos 6,9 milhões de eleitores tenham votado nestas eleições.

Segundo estes resultados parciais, o candidato independente Philippe Mpayimana obteve 0,72% dos votos e Frank Habineza, dirigente da única formação opositora tolerada em Ruanda, o Partido Democrático Verde, 0,45%.

Líder há mais de 20 anos

Kagame é o líder de facto de Ruanda desde que a Frente Patriótica Ruandense depôs, em julho de 1994, o governo extremista hutu, que desencadeou o genocídio que causou a morte de 800.000 pessoas, sobretudo membros da minoria tutsi.

Ex-vice-presidente e ministro da Defesa, Kagame dirigia o país nas sombras, antes de o Parlamento nomeá-lo presidente no ano 2000. Em 2003 e 2010, foi reeleito pelos ruandenes com mais de 90% dos votos.

O presidente é considerado o principal artífice do espetacular desenvolvimento econômico debilitado após o genocídio, mas grupos defensores dos direitos humanos o acusam de não respeitar a liberdade de expressão e de reprimir qualquer tipo de oposição.

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.