Ouvir Baixar Podcast
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 21/07 09h30 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h33 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 21/07 09h36 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Nem Nova York, nem Paris. Luanda é a cidade mais cara para expatriados

media Capital angolana Luanda só é acessível para expatriados que podem pagar muito caro Opan access/Fabio Vanin

Luanda, capital de Angola,é  a cidade mais cara para os estrangeiros viverem. A conclusão é da empresa alemã Movinga, especializada em mudanças de expatriados, que anualmente analisa os dados de 75 metrópoles internacionais.

Para descobrir onde os expatriados gastam mais para se instalar, a empresa realiza um estudo comparativo de mais de 200 tópicos como habitação, transporte, alimentação, educação, lazer, vestuário, gastos domésticos e muitos outros ítens ligados à vida cotidiana. O estudo é solicitado todos os anos para ONGs e governos poderem comparar os gastos com seus funcionários expatriados.

Crise financeira inflaciona Luanda

O custo médio de vida em Luanda se situa em torno de US$3.259,32. Comparando, Nova York tem uma média de US$3.084,75 e Londres de US$ 1.871.37. Um exemplo mais prático é o seguinte: para alugar um espaço de 35m2, um expatriado pode pagar um aluguel mensal de cerca de US$2.030,39 dólares em Luanda . Para se alimentar, as despesas mensais se situam em torno de US$ 1.124,24 dólares.

Angola vive uma profunda crise financeira e econômica decorrente da queda do petróleo. A população é diretamente afetada, muitos sobrevivendo com menos de US$1 por dia.

Os preços na cidade explodiram em 42% entre os meses de janeiro e dezembro de 2016.

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.