Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Papa diz que pobreza e falta de esperança estão na origem do terrorismo

media Papa Francisco participa de encontro ecumênico com representantes religiosos na Nunciatura Apostólica em Nairóbi, Quênia, 26 de novembro de 2015. REUTERS/Daniel Dal Zennaro/pool

Em seu segundo dia de visita ao Quênia, nesta quinta-feira (26), o papa Francisco reuniu-se com lideranças religiosas do país e depois celebrou uma missa no campus da Universidade de Nairóbi. Francisco lamentou o envolvimento de jovens em "ataques bárbaros" motivados pela radicalização e lembrou que ninguém pode evocar "o nome de Deus para justificar o ódio ou a violência". O papa também afirmou que a pobreza e a falta de esperança estão na origem do terrorismo.

Diante de milhares de quenianos, Francisco denunciou "a arrogância dos homens e o desprezo às mulheres", além de pedir a defesa da família. "Estamos chamados a resistir às práticas que favorecem a arrogância dos homens, que ferem ou desprezam as mulheres, que não cuidam dos idosos e ameaçam a vida do inocente que ainda não nasceu", declarou o pontífice na missa celebrada no campus da universidade.

Francisco celebrou o fato de que "a sociedade do Quênia se viu abençoada durante muito tempo por uma sólida vida familiar", sentida no "profundo respeito à sabedoria das pessoas mais velhas". "A saúde de toda sociedade depende sempre da saúde das famílias. A fé na palavra de Deus nos chama a apoiar as famílias em sua missão no interior da sociedade, a acolher as crianças como uma bênção para nosso mundo", completou em sua homilia, pronunciada em italiano e traduzida para o inglês. A solidez da família "é especialmente importante hoje em dia, quando assistimos ao avanço de novos desertos criados por uma cultura de materialismo, egoísmo e indiferença", destacou.

Em um país traumatizado por episódios de violência étnica nos últimos anos e atentados terroristas por parte de grupos radicais islâmicos, o papa também fez um apelo aos jovens para que "rejeitem tudo o que leva ao preconceito e à discriminação, porque estas coisas já sabemos que não são de Deus".

O papa Francisco chegou ontem ao Quênia, em sua primeira viagem ao continente africano. Hoje à noite, ele faz um discurso em defesa do meio ambiente na sede da ONU, em Nairóbi. Depois do Quência, o papa ainda vai a Uganda e à República Centro-Africana.

Com informações da AFP

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.