Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 22/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 22/07 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 22/07 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/07 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 22/07 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 22/07 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/07 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/07 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Primo distante do ser humano é encontrado na África do Sul

media Crânio do Homo naledi, antiga espécie do gênero humano descoberta na África do Sul. AFP PHOTO/HO/ WITS UNIVERSITY/JOHN HAWKS

Restos de uma antiga espécie do gênero humano, a Homo naledi, desconhecida até hoje, foi encontrada em uma caverna da África do Sul, onde foram exumados os ossos de 15 hominídeos. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (10) por uma equipe internacional cientistas.

A nova espécia foi classificada dentro do gênero Homo, ao qual pertence o homem moderno. Os fósseis foram encontrados em 2013 e 2014 em uma caverna profunda de difícil acesso, perto de Johannesburgo, na área arqueológica conhecida como "Berço da Humanidade", que é considerada patrimônio mundial pela Unesco.

Os cientistas encontraram mais de 1.550 ossos que pertenceram a, pelo menos, 15 indivíduos, incluindo bebês, adultos jovens e pessoas mais velhas. Todos apresentavam uma morfologia homogênea e pertenciam a uma "nova espécie do gênero humano que era desconhecida até então".

"Estou feliz de apresentar uma nova espécie do ancestral humano", declarou Lee Berger, pesquisador da Universidade Witwatersrand de Johannesburgo, durante uma entrevista coletiva.

Descoberta extraordinária

O Museu de História Natural de Londres classificou a descoberta de "extraordinária". "Alguns aspectos do Homo naledi, como suas mãos, punhos e pés, estão muito próximos aos do homem moderno. Ao mesmo tempo, o pequeno cérebro e a forma da parte superior do corpo estão mais próximos aos de um grupo pré-humano chamado australopitecos, explicou o professor Chris Stringer, do Museu de História Natural de Londres, autor de um artigo sobre o tema publicado na revista científica eLife.

A descoberta pode permitir uma compreensão melhor sobre a transição, há dois milhões de anos, entre o australopitecos primitivo e o primata do gênero homo, ancestral direto dos humanos.

(Com informações da AFP)

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.