Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 17/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 17/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 17/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 17/11 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 17/11 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 17/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 16/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 16/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Pelo menos 76 morrem em barco que afundou na costa líbia

media Corpos resgatados no litoral da Líbia. REUTERS/Hani Amara

Os corpos de pelo menos 76 migrantes foram recuperados e 198 pessoas foram resgatadas após o naufrágio de um barco com quase 300 passageiros nas costas da Líbia, informou nesta sexta-feira (28) à AFP uma fonte do Crescente Vermelho. Mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro e mais de 2.500 pessoas morreram na travessia.

Em Genebra, o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) declarou que espera um número maior de vítimas, uma vez que ainda há muitos desaparecidos após este incidente e o naufrágio de uma segunda embarcação no mesmo local.

"Até o momento, 76 cadáveres foram recuperados e 198 pessoas resgatadas. Ainda existem desaparecidos, dezenas, mas não sabemos o número exato", disse o porta-voz do Crescente Vermelho, Mohamed al Masrati.

Na quinta-feira, uma fonte da Guarda Costeira líbia anunciou a recuperação de 30 corpos e que dezenas de pessoas continuavam desaparecidas após o naufrágio de uma embarcação perto da cidade de Zuwara, que fica 160 km ao oeste de Trípoli. A fonte também afirmou que muitas pessoas a bordo eram procedentes de países africanos.

O Acnur evocou nesta sexta o naufrágio de duas embarcações, somando um total de 500 pessoas.
"Acreditamos que ainda há 200 pessoas desaparecidas. Tememos que elas estejam mortas", declarou a porta-voz Melissa Fleming. "Nosso escritório na Líbia está tentando verificar a situação com a Guarda Costeira", indicou.

Corpos na praia

Equipes do Crescente Vermelho líbio buscavam corpos na praia de Zouara, onde calçado, roupas e garrafas de plástico apareceram na quinta-feira na areia. Segundo o chefe da operação, Seddik Said, sobreviventes disseram às equipes de resgate que havia cerca de 400 pessoas a bordo do barco resgatado quinta-feira em Zouara, mas um outro pequeno barco havia afundado no dia anterior com cerca de 60 pessoas a bordo.

"É difícil determinar os números exatos, até mesmo de mortos. Nós só podemos fornecer o número de pessoas que encontramos mortas", declarou Said. "Realizamos missões semelhantes a cada semana, onde dezenas de pessoas morrem ao longo dessa praia", acrescentou.

Um sobrevivente disse à AFP que ele e seus dois amigos tinham pago US$ 1.600 cada para embarcar no barco resgatado na quinta. As saída de migrantes não para de aumentar nos 1.770 quilômetros das costas da Líbia desde a queda do regime de Muamar Khadafi em 2011, que deixou o país em uma situação de caos.

Tráfico humano

A Líbia tem dois governos e dois Parlamentos rivais, um cenário que facilita a ação dos traficantes de seres humanos. O país fica a pouco mais de 300 km da ilha italiana de Lampedusa, que centenas de migrantes procedentes da África, Síria ou outras zonas em conflito tentam alcançar a cada semana.

Mais de 300.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro e mais de 2.500 pessoas morreram na tentativa de chegar à Europa, anunciou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).
 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.