Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 22/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 22/09 09h33 GMT
  • 09h30 - 09h33 GMT
    Jornal 22/09 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 21/09 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 21/09 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 21/09 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 21/09 09h57 GMT
  • 09h33 - 09h57 GMT
    Programa 21/09 09h33 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Ataque aéreo no Níger resulta em 36 mortes

media Soldados do Níger patrulham junto da fronteira com a Nigéria. RFI/ Nicolas Champeaux

Trinta e seis pessoas faleceram e 27 pessoas ficaram feridas em resultado da explosão de uma bomba lançada por um avião, cuja identidade ainda não foi identificada, na localidade de Abadam, na fronteira com a Nigéria.

As autoridades nigerinas ainda não se pronunciaram sobre o incidente. Sabe-se que o exército do Níger e do Chade que se encontram mobilizados junto à fronteira entre o Níger e Nigéria para lutar contra o grupo islâmico armado nigeriano Boko Haram excluíram serem responsáveis pelo bombardeamento, declaram dois autarcas nigerinos à agência noticiosa France Press.

O investigador cabo-verdiano no Instituto da África ocidental, com sede na Praia, Corsino Tolentino, indica que nesta região da África ocidental se vive uma falta de controlo sobre os territórios, e nomeadamente, como se registou com o adiamento das eleições na Nigéria.

Segundo Corsino Tolentino há dois dados que se sabem sobres esta questão; "primeiro que Boko Haram tem tido a possibilidade de instalar a violência no maior país da África ocidental e a maior economia que é a Nigéria que, de certo modo, está paralisada por causa deste grupo radical islamita. Por outro lado, apesar de o governo da Nigéria ter dito que as eleições iriam para a frente custasse o que custasse, o governo prometeu liquidar as forças do Boko Haram num período relativamente curto".

O investigador cabo-verdiano no Instituto da África ocidental esclarece que o grupo Boko Haram não tem forças aéreas visível, "mas sabemos que tem uma possibilidade de criar uma grande instabilidade".

Investigador cabo-verdiano, Corsino Tolentino 19/02/2015 Ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.