Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/10 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/10 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/10 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/10 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/10 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/10 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/10 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

África central solidária com Camarões e Chade contra Boko Haram

media Tropas de batalhão de intervenção rápida dos Camarões na região de Waza em Maio de 2014. AFP FOTO / REINNIER KAZE

A CEEAC reunida nesta segunda-feira nos Camarões aprovou uma ajuda de emergência ao Chade e aos Camarões de 50 000 milhões de francos cfa e apoio às tropas mobilizadas para combater o grupo terrorista Boko Haram. O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, que participou no fórum de Yaoundé, alegou ser necessário "levar muito a sério" a ameaça do movimento armado nigeriano.

O primeiro-ministro são-tomense foi um dos dirigentes da CEEAC, Comunidade económica dos Estados da África central, presentes nos Camarões, numa altura em que as acções militares do Boko Haram têm alastrado da Nigéria a países limítrofes, como os Camarões, o Chade ou o Níger.

Maximino Carlos, correspondente em São Tomé e Príncipe, conta-nos mais.

África central solidária com o Chade e os Camarões 17/02/2015 Ouvir

Os países vizinhos têm sido alvo de operações terroristas no seu território e têm também protagonizado algumas ofensivas contra o Boko Haram, mesmo em território nigeriano.

Um grupo que pretende instaurar a lei islâmica, nomeadamente no norte da Nigéria, maioritariamente muçulmano, e que luta contra a influência da educação ocidental, tida como um "pecado".

Já no que diz respeito à política interna são-tomense, pela primeira vez o chefe de Estado, Manuel Pinto da Costa, vetou uma lei do novo parlamento, no caso as alterações à lei das incompatibilidades dos deputados.

A Assembleia nacional onde a ADI, do primeiro-ministro Patrice Trovoada, dispõe de maioria absoluta desde as eleições de Outubro do ano passado.

Este veto presidencial implicará o regresso da lei ao parlamento que deverá ser confirmada ou alterada.

O presidente alega ser chocante a possibilidade de os deputados poderem exercer, em simultâneo, outras actividades na administração pública, acumulando vários ordenados.

Maximino Carlos, correspondente no arquipélago equatorial, tem mais informação.

Primeiro veto presidencial em São Tomé e Príncipe 17/02/2015 Ouvir

O presidente Manuel Pinto da Costa, um antigo dirigente do partido histórico MLSTP-PSD, tem relações publicamente conflituosas com a família Trovoada, nomeadamente, aquele que acabou por ser também chefe de Estado, Miguel Trovoada, pai do actual primeiro-ministro, Patrice Trovoada.

O novo contexto polítco saído das urnas em Outubro veio, porém, dar maior margem à ADI que de uma minoria relativa no parlamento no passada acabara por ver o seu governo cair, até obter no último escrutínio uma vitória com maioria absoluta.

 

 

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.