Ouvir Baixar Podcast
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 15/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 15/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 15/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 14/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 14/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 14/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 14/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 14/11 09h36 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Angola : estado da comunicação social em debate

media Logotipo da Televisão Pública de Angola Miguel Martins

O parlamento angolano debateu hoje o estado da Comunicação Social no país, sem transmissão televisiva,nem radiofónica, o que sucedeu ontem pela primeira vez no país, durante a discussão sobre o novo regime tributário.

A pedido dos partidos angolanos da oposição, a Assembleia Nacional decidiu autorizar a transmissão em directo dos debates parlamentares, pela rádio e televisão públicas, embora cingindodo-se às declarações políticas dos líderes das bancadas parlamentares.

Tal ocorreu ontem (26/06) pela primeira vez no quadro da discussão sobre o novo pacote tributário, mas a presidência da Assembleia Nacional recusou a transmissão em directo esta sexta-feira (27/06) quando o parlamento analisou o relatório da comissão espcializada sobre o estado da comunicação social no país, um debate ao qual a classe jornalística assistiu em peso. 

O jornalista da Rádio Despertar, afecta à UNITA, principal partido da oposição foi "escorraçado" do hemiciclo, afirma o jornalista Alexandre Neto Solombe, presidente do MISA-Angola (Media Institute os southern Africa) que marcou presença no parlamento, e para quem se tivesse havido essa transmissão directa, tal teria sido "suicidário para o MPLA... e os seus argumentos vergonhosos".

Alevandre Solombe começa por referir que "Angola está a caminhar para o absolutismo monárquico...onde a Constituição e as leis não são respeitadas".

Alexandre Solombe 27/06/2014 Ouvir

Sobre o mesmo assunto
 
O tempo de conexão expirou.