Ouvir Baixar Podcast
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 13/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 13/11 15h06 GMT
  • 15h00 - 15h06 GMT
    Jornal 13/11 15h00 GMT
  • 09h57 - 10h00 GMT
    Flash de notícias 13/11 09h57 GMT
  • 09h36 - 09h57 GMT
    Programa 13/11 09h36 GMT
  • 09h30 - 09h36 GMT
    Jornal 13/11 09h30 GMT
  • 15h27 - 15h30 GMT
    Flash de notícias 12/11 15h27 GMT
  • 15h06 - 15h27 GMT
    Programa 12/11 15h06 GMT
Para poder acessar todos os conteúdos multimídia, você deve instalar o plugin Flash no seu navegador. Para se conectar, você deve ativar os cookies nas configurações do navegador. O site da RFI é compatível com os seguintes navegadores: Internet Explorer 8 e +, Firefox 10 e +, Safari 3 e +, Chrome 17 e +.
África

Polémica em torno de demolições num bairro da capital de Angola

media Baía de Luanda Scott Peterson/Getty images

De acordo com uma denúncia feita pela ONG SOS Habitat, há 20 dias, cerca de 3 mil famílias, aproximadamente 10 mil pessoas foram desalojadas das suas habitações no bairro de Areia Branca na Ilha de Luanda e vivem desde então ao relento e sem alimentação.

Estas demolições relacionadas com o projecto das autoridades de realizarem obras de renovação na marginal de Luanda, foram marcadas segundo a SOS Habitat por detenções, ameaças a populares e pelo isolamento dessas famílias que ficaram desprovidas de tudo, esta organização referindo que apenas quatro agregados familiares foram realojados.

Ao denunciar as condições em que se encontram os desalojados, André Augusto, vice-coordenador do conselho de direcção da SOS Habitat, refere que certas pessoas sofrem de fome e de sede e revela ainda que há informações dando conta de mortes entre os desalojados. Segundo este responsável, estas mortes ainda por averiguar poderiam estar relacionadas com a situação vivida por essa população.

André Augusto, vice-coordenador do conselho de direcção da SOS Habitat 19/06/2013 Ouvir

 

 
O tempo de conexão expirou.